Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Domingo, 5 de Agosto de 2007
Tradução
Não são muitas as vezes que a comunicação social fala de tradução (eu próprio poderia falar um pouco mais de tradução aqui, mas num período de grande intensidade de trabalho, como têm sido os últimos dois anos, raramente me apetece falar sobre o assunto), pelo que o Público de Domingo chamaou a minha atenção, porque na primeira página, em cima, tinha uma chamada para um artigo da Pública que dizia isto:

Tradutores
Quem são os que resistem à tirania do inglês

Logo o título me fazia um pouco de impressão. Isto de "tirania do inglês" é coisa que leva água no bico. Hei-de, com mais tempo voltar a esta questão da hegemonia do inglês que, para mim, é bastante mais aparente do que real (é claro que a realidade é diferenciada para os vários sectores das actividades humanas).

Na abertura do artigo de Bruno Horta, diz ainda o seguinte:

Marginais e resistentes
Em Portugal há línguas que só alguns dominam. E das quais não há dicionários ou gramáticas. Agora que decorre em Xangai, na China, o 18º Congresso Mundial da Federação Internacional de Tradutores - entre 4 e 7 de Agosto -, fomos à procura dos tradutores literários que resistem à tirania do inglês.

Bom, já ficamos a saber mais alguma coisa: 1.º há línguas que em Portugal não têm muita gente que as saiba; 2.º afinal não se vai falar de toda a tradução, mas apenas de tradução literária; 3º e por algum motivo, estes senhores que traduzem estas línguas raras resistem à tirania do inglês (porquê?)

No primeiro caso, o jornalista fala-nos de tradutores de línguas como o islandês, árabe, finlandês, húngaro e dinamarquês. Naturalmente, são línguas que não tem muitos tradutores em Portugal. Mas, muitas outras também as não têm. De qualquer modo, é sempre bom termos traduções directas da língua em questão. Mas este aspecto foi apenas para lançamento do artigo.

No segundo caso, a questão da tradução literária / não literária. A tradução literária pode ter, e tem, mais prestígio, mas no total de traduções efectuadas em todo o mundo, é uma parte muito, muito pequena. Mas, das vezes que reparei num artigo sobre tradução num meio de comunicação de massas, estes artigos falam-nos quase sempre de tradução literária. É mesmo uma questão de prestígio, não?

A dicotomia tradutor literário/ tradutor não literário é para mim algo que pertence ao passado, mas é algo que persiste na mente de muita gente.

Yves Gambier, na sua comunicação "Diversité des pratiques de traduction: Convergence des formations" (V seminário de Tradução Científica e Técnica em Língua Portuguesa, 18/19 de Novembro de 2002) disse:

En effet, la tradition en traduction est traversée depuis longtemps par des catégories binaires qui sont loin de refléter les réalités. Ainsi, on oppose traducteurs littéraires et traducteurs non-littéraires dans les associations professionnelles. Une telle coupure demeure aussi dans la perception et les représentations chez nombre de traducteurs - l'un pratiquant un art et l'autre un artisanat. [...] Elle traversa le capital symbolique de nos sociétés, la littérature étant encore légitimée, valorisée alors que les documents dits pragmatiques sont pratiques, efficaces... mais évanescents, à l'existence souvent courte. Enfin, elle marque fréquemment les manières de considérer les stratégies, le traducteur littéraire ayant le droit à la creátivité tandis que le traducteur non-littéraire n'aurait que l'obligation de se conformer aux usages linguistiques, culturels, rhétoriques de ses destinataires, aux exigences d'ordre réglementaire, normatif, matériel. On pourrait allonger la liste de ces différences supposées. Notons simplement ici que la masse des traduction quotidiennes continue trop souvent d'être définies par rapport à la littérature (non-littéraires)!

Mas, o facto é que, como diz Yves Gambier mais adiante, depois de constatar que estas dicotomias têm sido progressivamente postas em causas,

il suffit d'admettre que tout traducteur, quelle que soit la nature de l'original à traduire, suit des régularités dans son comportement, ses décisions, son sens des responsabilités.

Isto é, independentemente, da natureza do texto que traduzem, todos os tradutores têm procedimentos comuns, com depois as especificades próprias à natureza do texto a traduzir. Muito haveria sobre esta questão, mas o tempo é pouco.

Gostava é que, para a próxima vez, quando se referissem à tradução, vissem para além da literatura (afinal, provavelmente, 95% das traduções que se fazem no mundo são não literárias).

E, tal como a tradução literária, a tradução técnica, por exemplo, tem tanta ou mais importância para o futuro de uma língua como meio de comunicação válido em todos os aspectos. Uma língua que não desevolva uma linguagem técnica, pode ser uma língua condenada a prazo.

Por último, a "tirania do inglês". Da leitura do artigo, não se vê por que é que estes tradutores são resistentes marginais ou, sequer, como proporcionam essa resistência ao inglês. Por não traduzirem do inglês. É pouco.

Eu, que também traduzo do inglês, faço a grande maioria das minhas traduções a partir do francês. É a língua com que eu mais trabalho. Conheço muitos tradutores não literários que traduzem outras línguas que não o inglês. Na tradução não literária que souber língua como, por exemplo, o neerlandês. O italiano, o espanhol ou o alemão tem muita procura...

Num artigo de 2001sobre Claude Hagège e o seu livro Halte à la mort des langues, Eduardo Berti escreve:

Reconocido combatiente de la hegemonia del inglés, promotor del bilingüismo (por no decir del plurililgüismo), Hagège se niega a hablar de lenguas asesinas, como atendible contrafigura de las muertas; propone más bien la noción de "lenguas predadoras" y, al mismo tiempo, no reduce todo el análisis al indiscutible "imperialismo del inglés".        

        

"Contrariamente a lo que suele creerse, el peligro de las lenguas regionales y tribales del Africa no proviene hoy del inglés, ni de otros idiomas europeos, a diferencia del caso de Asia septentrional con el ruso, de América central y del Sur (español), de los Estados Unidos (inglés) o Australia (ingles). En Africa, si bien las lenguas europeas ejercieron una gran presión en tiempos coloniales, su uso se limita actualmente a las clases privilegiadas. El verdadero peligro proviene mayormente de las lenguas africanas más masivas y prestigiosas, cuya promoción suele coincidir con la de las estructuras del Estado".  

        

La creciente importancia del swahili como lengua oficial en varias naciones africanas (lengua promovida, precisamente, como cimento para la unidad nacional), va en desmedro de muchas lenguas minoritarias que, para sobrevivir, suelen teñirse de numerosos neologismos procedentes del swahili. Lo mismo ocurre con el peul en Africa central, con el haoussa en Nigeria y Camerún, con el oulof en Senegal. Estas lenguas nacionales son peligrosamente predadoras, según Hagège, porque aun cuando tienen iguales efectos que una lengua extranjera, "no despiertan la misma desconfianza".

E no fim do artigo, para aqueles que temem que o inglês seja a única língua falada no final do século:

En cuanto a los pronósitos de los apocalípticos para quienes en un siglo no se hablará otro idioma que el inglés, Hagège mantiene una posición cautelosa. "La situación hegemónica del inglés no es un fenómeno novedoso. Hace dos mil años, el latín condujo a la muerte de numerosas lenguas. como el galo, el tracio, el ilirio, el dacio o el celtíbero. Tras la victoria de César, la aristocracia gala se romanizó muy velozmente, abandonando su lengua. Hoy el inglés americano cumple el mismo rol que el latín. Son numerosas las familia de diferentes países del mundo que han adoptado el inglés como lengua de prestigio. Pero incluso si el inglés llegara a imponerse de manera absoluta, esto no quiere decir que terminaríamos todos hablando de igual modo una misma lengua. No debemos olvidar que el latín engendró el español, el italiano, el portugués o el francés. ¿Por qué no suponer que puede ocurrir lo mismo con el inglés?"

É fácil recorrermos a chavões como a "tirania do inglês" (mesmo quando depois nada se fala sobre o assunto) pois de facto, por exemplo, na comunicação científica, o inglês tornou-se a lingua em que todos escrevem para dar a conhecer as suas ideias. Mas, daí a pensar que todos vão ter que aprender inglês, vai uma grande distância.

E o facto de se traduzir de uma língua minoritária, também não nos qualifica automaticamente como grande combatentes à hegemonia do inglês.


publicado por Rui Oliveira às 23:24
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
blogs SAPO
.subscrever feeds