Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Deve pensar que os outros...

. Autárquicas

. A Elisa emprestada

. Bicentenário da tragédia ...

. Primeiros

. Cultura e Rivoli

. De magnólias e camélias.....

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Quinta-feira, 7 de Junho de 2012
Deve pensar que os outros são estúpidos...

O Público noticia que o guia de restauração do Porto editado pela Porto Menu tem na sua capa um insulto a Rui Rio. Na fachada de um edifício pode-se ver "Rio és um fdp". Segundo a notícia, uma funcionária da loja que existe sob o local onde se vê a inscrição diz que a inscrição nunca existiu. Por isso, terá sido posta por Photoshop. Mas, o mais hilariante e, ao mesmo tempo, completamente estúpido é a explicação dada por Manuel Leitão, editor da publicação:

 

Contactado pelo PÚBLICO, Manuel Leitão, editor da publicação, garante que já foram distribuídos "20 mil exemplares" da edição de 2012/2013 da revista, mas recusa que a inscrição seja um insulto ao presidente da Câmara do Porto, Rui Rio. "Isso é uma presunção", diz, acrescentando: "Não fala ali em presidente [da câmara] do Porto nenhum. Que eu saiba "Rio" é um substantivo próprio que significa um curso de água e o resto são três iniciais, um verbo e um artigo".

 

O senhor Manuel Leitão está a tentar fazer de lorpas todas as outras pessoas. Além do mais, se foi exactamente aquilo que ele disse, então deveria deixar a análise morfológica para quem sabe (sei lá, acho que um miúdo do 6.º ano conseguiria fazer melhor).

 

Dizer que "Rio" é um substantivo próprio e a seguir defini-lo como um "curso de água" (supondo-se, no contexto, que ele quer dizer um curso de água qualquer) só demonstra ignorância e uma contradição nos seus termos. Um "nome próprio" ("nome" substituiu "substantivo" na nova nomenclatura gramatical) designa um referente fixo e único num determinado contexto discursivo. O que provavelmente ele queria dizer é que "rio" era um substantivo "nome" comum.Além do mais, a estrutura da frase, com o verbo na segunda pessoal do singular, não deixa muitas dúvidas quanto ao sentido. Quanto aos significado de "fdp", enfim... acho que toda a gente sabe.

 

Mas, para além da ignorância gramatical, este senhor quer fazer passar as pessoas por parvas ou quê? Ou não tem, agora, coragem de assumir aquilo que publicou e que, certamente, não lhe passou despercebido.

 

Enfim, uma tristeza...

publicado por Rui Oliveira às 19:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 11 de Outubro de 2009
Autárquicas

Não tenho seguido como muita atenção as autárquica, mas fico sem dúvida feliz com a vitória de Rio no Porto. Eu fui mais um dos muitos portistas que votaram nele. Futebol e política não se misturam. Também gostei muito de ver as chamadas "elites" (o que será isso de elites - meia-dúzia de intelectuais de meia-tigela que se têm demasiado em conta) a terem que gramar o Rio uma vez mais.

publicado por Rui Oliveira às 23:52
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 9 de Maio de 2009
A Elisa emprestada

Elisa Ferreira diz que quer é mesmo ir para Porto e que só emprestou o nome à lista do PS para a Europeias. Afinal, ao contrário do que o PS disse, parece que ela só está lá para cumprir as quotas impostas.


Por isso Rangel tem razão quando diz «o PS não pode ter credibilidade nacional e internacional e ter uma lista às eleições europeias, como a lista do PS, onde os candidatos europeus dizem alto e bom som, como Elisa Ferreira, que vai às eleições para dar o nome, só para assinar. Que projecto é este?»

 

Se a presença simultânea de Ana Gomes e Elisa Ferreira como candidatas nas autárquicas e europeias já era um pouco estranho, denotando, para muitos, oportunismo, declarações como estas só vêm fragilizar ainda mais a posição destas candidatas (sobretudo, obviamente, a de Elisa Ferreira.

 

O PS quer dar lições de moral aos outros, mas só dá tiros nos pés.

publicado por Rui Oliveira às 18:45
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 29 de Março de 2009
Bicentenário da tragédia da ponte das barcas

          Mal correu a voz de que os franceses tinham forçado algumas baterias, logo se espalhou o pânico, naturalmente, numas forças que não tinham qualquer disciplina a moderar o desânimo e o instinto de conservação da vida: foi a debandada geral, tendo-se dirigido parte desta gente para a ponte do Douro a caminho de Vila Nova de Gaia.

         Chegou aquela mole informe de gente à ponte das barcas quando ali já tinham começado aretirar, por ordem do Brigadeiro Vaz Parreira as pranchas do pontão central a fim de cortar a ponte; mas à vista da gente que avançava a operação foi suspensa, ficando contudo a passagem limitada na largura de algumas pranchas e deste modo muito mais estreita que a largura total do tabuleiro da ponte por onde acorria a multidão.

         Foi esta a desgraçada causa da morte de muitas centenas de populares, pois empurrados pelos que vinham atrás, eram atiados ao boqeuirão que as pranchas retiradas deixavam em aberto; apenas se salvaram uma pequena parte das pessoas que se fizeram à ponte.

         Para cúmulo da tragédia, uma bateria instalada na Serra do Pilar e que estava apontada para a defesa da ponte, abriu desordenadamente fogo, matando muitos da multidão, e aumentando assim a confusão entre os que procuravam fugir.


         O rio Douro, correndo indiferente no seu curso milenário, ia arrastando a caminho da Barra, centenas de cadáveres ou magotes de desgraçados que se debatiam nas vascas da agonia.

 

(Carlos Azeredo, Aqui Não Passaram! O Erro fatal de Napoleão, Porto; Civilização, 2005, p. 158.)

publicado por Rui Oliveira às 20:07
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Janeiro de 2009
Primeiros

O FCP é primeiro, lugar que já nos habituou. É agora é esperar que o aguente até ao fim do campeonato. Já gosto mais assim deste tabela classificativa.

publicado por Rui Oliveira às 23:53
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008
Cultura e Rivoli

Confesso que as produções do La Féria não me encantam e, por isso, não fui ainda ao Rivoli desde que ele lá fas as suas produções. De igual modo, na anterior fase do Rivoli, também nunca lá fui, pois a programação não me interessava absolutamente nada (não tenho culpa, os meus interesses são outros...).

 

Logo que Rio acabou com a anterior situação do Rivoli, absolutamente insustentável, acusaram-no de inculto e de outras coisas do género. É o costume. Quem não subsidia ou avaliza, de uma forma ou outra, as actividades de "artistas" e "criadores" é logo acusado de ser contra a cultura.

 

Mas de cultura estamos a falar? Será que o Município tem que suportar os gostos de uma minoria? É que o Rivoli, ao contrário do que diziam os "rivolucionários", não era do povo, mas apenas de alguns.

 

Povo, ou antes (gosto mais), pessoas, é o que não falta agora ao Rivoli. Pode dizer-se que, sim, agora, o Rivoli é do povo. Por isso, concordo com Manuel Serrão quando, no Jornal de Notícias de ontem, ele diz:

 

Independentemente das doutas decisões dos tribunais, a decisão política de transformar o Rivoli num Teatro ao serviço dos munícipes deixando de o tratar como uma sala de espectáculos para entreter meia dúzia de pseudo intelectuais politicamente comprometidos, foi talvez a decisão mais acertada dos mandatos de Rui Rio.

 

Não são os espectáculos de alta cultura de que os anteriores "proprietários" do Rivoli gostam. Pois não, não são... Mas, ao menos, são espectáculos que têm espectadores. Já é qualquer coisa (embora também esteja longe de ser brilhante).

tags: ,
publicado por Rui Oliveira às 11:08
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Abril de 2007
De magnólias e camélias... e não só
Hélder Pacheco, no Jornal de Notícias, sobre uma exposição de camélias no Porto, tem um texto, De magnólias e camélias, verdadeiramente inspirado (destaques meus):

E no alvoroço de Verão antecipado com que, este ano, o malfadado Inverno se despediu, foi a cidade brindada com a Exposição de Camélias que, após anos de vil apagamento, parece ter regressado, espero que definitivamente. Não podia ser de outro modo na terra proclamada "a "pátria delas" e tornara-se incompreensível o desleixo, desinteresse e menosprezo por tão brilhantes tradições portuenses - a flor e a sua exposição anual.

Aliás, por não ser, talvez, cosmopolita conforme os padrões pós-provincianos que nos regem, a camélia não teve lugar nessa cintilante manifestação de eruditismo chamada Porto 2001. E arriscou-se a cair em tanto esquecimento que os nossos vizinhos do lado já andavam a fazer mais, num par de anos, pela divulgação e protecção da "rosa japónica", do que a sua pátria adoptiva, em muitos.

Desmentindo as vozes catastróficas e cemiteriais sobre a abulia, o deserto e o quase zero de energia com que ornamentam os discursos sobre a cidade, a Exposição valeu como referendo sobre o que atrai, interessa e motiva o público. De facto, associando as camélias ao Palácio do Freixo, há muito que não se juntavam multidões assim, para visitar um local soberbo e contemplar a flor irresistível. O que significa a apetência e a disponibilidade de milhares de pessoas para manifestações para elas atractivas. E também que os comissários para as minorias activas e subsidiadas nada entendem sobre os gostos do público nem sobre o que se entende por oferta cultural para a democracia (quero dizer, para a maioria).

De facto, eu não diria melhor...

 

tags: ,
publicado por Rui Oliveira às 23:41
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds