Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Nova desgraça na ONU

. Realidade virtual

. Dizem que não existe... (...

. Dizem que não existe...

. Malefícios do politicamen...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008
Nova desgraça na ONU

Já se estava à espera, mas é sempre triste ver, uma vez mais, a ONU a alinhar com aqueles que querem limitar a liberdade de expressão em nome do respeito por todos:

 

Une commission de l'ONU a adopté lundi une résolution appelant les Etats à empêcher, y compris par la loi, le dénigrement des religions, et affirmant que l'islam est souvent et faussement associé aux violations des droits de l'Homme et au terrorisme.

 

Esta resolução foi patrocinada pelos países islâmicos, Bielorrússia e Venezuela, tudo democracias excelentíssimas.

 

A reolução apela a que se impeça pela lei que se denigra a religião, mas, depois, desmascarando a sua verdadeira intenção, só fala nos mulçumanos que, segundo esta resolução, seriam falsamente acusados de terrorismo:

 

La résolution "note avec une vive inquiétude que la campagne globale de dénigrement des religions et l'incitation à la haine religieuse en général, notamment la discrimination ethnique et religieuse à l'égard des minorités musulmanes, se sont intensifiées depuis les événements tragiques du 11 septembre 2001".

 

L'Assemblée se déclare "profondément préoccupée par le fait que l'islam est souvent et faussement associé aux violations des droits de l'Homme et au terrorisme."

 

É claro que, casos como os que aconteceram no Cairo não entram no vocabulário desta resolução. Nâo, são os muçulmanos é que têm direito a ser mencionados como falsamente acusados e vítimas da intolerância dos outros. Quanto a intolerância dos muçulmanos contra as minorias nos países em que são maioritários, nada, nada consta, desconhecem.

 

Razão tem a ONG UN Watch:

 

"C'est la dernière salve d'une série de résolutions de l'ONU qui cherchent dangereusement à introduire les interdits islamiques contre le blasphème dans le vocabulaire du droit international", a déclaré son directeur, Hillel Neuer, dans un communiqué.

"Les droits de l'Homme ont été conçus pour protéger les individus, pour garantir à chaque personne la liberté d'expression et la liberté de culte, mais certainement pas pour protéger quelque croyance que ce soit, religion comprise", a-t-il ajouté.

Mas, enfim, esperar bom senso da ONU é algo como estar à espera das calendas gregas.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 13 de Julho de 2008
Realidade virtual

Cristão extremista decapita muçulmano!

 

Calma, afinal foi apenas numa série da BBC. Aliás, só poderia ser mesmo numa realidade virtual, pois no mundo real a gente sabe que a história não é bem assim...

 

Só uma BBC estupidamente correcta é que poderia apresentar um série com um enredo destes.

publicado por Rui Oliveira às 19:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007
Dizem que não existe... (II)
Depois da censura a palavra "faggot", a BBC 1, depois das muitas críticas recebidas, decidiu passar a música Fairytale of New York sem  o irritante "beep", segundo  no diz  esta notícia BBC reverses decision to censor The Pogues.

Só um comentário ao final da notícia que reza assim:

But gay rights campaigner Peter Tatchell said that Radio 1’s U-turn was evidence of double standards.


He said: “I doubt that the BBC would take the same relaxed attitude if this song included the n-word" or other ethnic slurs.


“For the sake of consistency, the f-word should be deleted.


“The BBC and other media urgently need to agree a consistent policy covering all forms of prejudiced language so that homophobic, racist, anti-Semitic and sexist words are all treated in the same way,” he said.


Provavelmente este activista gay tem razão numa coisa: se fosse a temida "n-word" eu também duvido que a BBC voltasse atrás. Mas o problema está mesmo em haver palavras proibidas: por que é que há palavras que são mais interditas do que outras? Por que é que as palavras cristofóbicas também não têm que ser censuradas? Qual o critério para se saber que palavras devem ser censuradas ou não, ou que minorias (ou maiorias) podem ser ofendidas e aquelas que não o podem ser.

Toda a censura tende a ser injusta. Haverá sempre alguém que não se ache protegido pelos direitos que outros têm...

O activista diz que as palavras homofóbicas, racistas, anti-semíticas ou sexistas sejam tratadas da mesma maneira (suponho que ele quer dizer que se as censure a todas). E as palavras cristofóbicas, islamofóbicas, etc, etc? Também? A lista não teria fim. A certa altura, haveria sempre um grupo de ofendidos e clamar por um tratamento igual. O ciclo não teria fim.

Haverá sempre limites, mas esses devem ser estabelecidos pela lei (enfim, esperando que esta seja razoável e não comece a inventar "hate speechs").
publicado por Rui Oliveira às 15:20
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2007
Dizem que não existe...
Por várias vezes lê-se em alguns blogs de esquerda críticas aqueles que criticam o "politicamente correcto". Segundo estes blogs o politicamente correcto não existe. O problema é que ele, insiste em desmenti-los e, vezes sem conta, aparece bem à vista de todos.

Uma dessas aparições deu-se agora na inanarrável BBC, que decidiu censurar Fairytale of New York, a conhecida canção de Natal dos The Pogues com Kirsty MacColl. Porquê? Para não ofender os homossexuais, pois há um verso da canção reza assim:

"You scumbag, you maggot you cheap lousy faggot, Happy Christmas your arse I pray God It's our last."

Claro que se fosse ofensivo para cristãos, não haveria problema algum para a BBC. Mas, ofensivo para homossexuais, muçulmanos ou qualquer outra minoria, não, isso na passa no infalível lápis azul da BBC.

Enfim, e depois ainda há alguns que nos querem dar lições e andam sempre a falar no Index.
publicado por Rui Oliveira às 23:51
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007
Malefícios do politicamente correcto
Para aqueles que têm dúvidas quanto à dimensão totalitária e de limitação de pensamento que o politicamente correcto estabelece, este caso é bastante esclarecedor  Gay couple left free to abuse boys - because social workers feared being branded homophobic.

A homosexual foster couple were left free to sexually abuse vulnerable boys in their care because social workers feared being accused of discrimination if they investigated complaints, an inquiry concluded yesterday.

[...]

The report, following an independent review of the case, said: "One manager described the couple as 'trophy carers' which led to 'slack arrangements' over placement.

"Another said that by virtue of their sexuality they had a 'badge' which made things less questionable.

"The sexual orientation of the men was a significant cause of people not 'thinking the unthinkable'.

"It was clear that a number of staff were afraid of being thought homophobic.

"The fear of being discriminatory led them to fail to discriminate between the appropriate and the abusive."

O medo de serem classificados como homófobos fez com que os assistentes sociais negligenciassem o bem-estar das crianças.

Isto é resultado de uma mentalidade que torna certos grupos isentos de qualquer escrutínio e quem ousa criticá-los é logo rotulado de homófobo, islamófobo ou racista ou outro rótulo qualquer. Ora, assim, é impossível discutir seja que assunto for.

Ninguém deve estar isento de escrutínio. Caso contrário, são sempre os mais fracos que se lixam. Como agora. Poor Albion...

(via Michele Malkin)
publicado por Rui Oliveira às 01:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds