Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Verdadeiramente comovente

. O multiculturalismo falho...

. NATO, Kosovo e criminosos

. Feliz Ano Novo em Espanha

. Ainda o referendo na Suíç...

. Não é preciso embandeirar...

. A Elisa emprestada

. Obsessão americana

. Liberdade de expressão

. Pequena diferença

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011
Verdadeiramente comovente

É comovente ver a preocupação com os dinheiros públicos por parte dos manifestantes da marcha antipapa. Tão preocupados que ele estão com o desperdício no erário público. É claro que, em Espanha, não faltam motivos para se manifestar contra o desperdício do dinheiro público, por exemplo, os vários aeroportos fantasmas alegremente construídos nos últimos anos.

 

É claro que os indignados e companhia não querem saber para nada do custo da visita do Papa para o erário público espanhol. A explicação é bem mais simples: é o já velho e habitual jacobinismo e anticlericalismo da esquerda espanhola e afins. Nada de novo, afinal.

publicado por Rui Oliveira às 23:58
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 5 de Fevereiro de 2011
O multiculturalismo falhou - parte II

Depois de Merkel em Outubro 2010 ter dito que o multiculturalismo alemão falhou, agora vem David Cameron dizer que o multiculturalismo de Estado britânico falhou.

 

publicado por Rui Oliveira às 23:23
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 18 de Dezembro de 2010
NATO, Kosovo e criminosos

Já há algum tempo que não escrevia sobre o Kosovo, mas quem quiser saber a minha opinião, basta escrever a palavra Kosovo em "pesquisar este blog" e dar-lhe-á 14 resultados, referentes às entradas em que, por um motivo ou outro, falei neste tema.

 

Tendo em conta o que eu disse anteriormente, não fui certamente surpreendido por esta notícia do Público, sobre a acusação, num relatório do Conselho da Europa, feita ao primeiro-ministro do Kosovo de actividades criminosas na recolha ilegal de órgãos humanos. O relatório, que pode ser lido aqui, O relatório diz coisas que qualquer observador imparcial sabia. Por exemplo:

 

13. The appalling crimes committed by Serbian forces, which stirred up very strong feelings worldwide, gave rise to a mood reflected as well in the attitude of certain international agencies, according to which it was invariably one side that were regarded as the perpetrators of crimes and the other side as the victims, thus necessarily innocent. The reality is less clear-cut and more complex.

 

14. The Parliamentary Assembly strongly reaffirms the need for an absolutely uncompromising fight against impunity for the perpetrators of serious human rights violations, and wishes to point out that the fact that these were committed in the context of a violent conflict could never justify a decision to refrain from prosecuting anyone who has committed such acts (see Resolution 1675 (2009)).

 

15. There cannot and must not be one justice for the winners and another for the losers. Whenever a conflict has occurred, all criminals must be prosecuted and held responsible for their illegal acts, whichever side they belonged to and irrespective of the political role they took on.

 

Facto é que a NATO permitiu que os combatentes do UÇK tivessem durante bastante tempo mão livre sobre o território, tal como o relatório o reconhece:

 

9. During the decisive phase of the armed conflict, NATO took action in the form of air strikes, while land operations were conducted by the KLA, de facto allies of the international forces. Following the departure of the Serbian authorities, the international bodies responsible for security in Kosovo very much relied on the political forces in power in Kosovo, most of them former KLA leaders.

 

10. The international organisations in place in Kosovo favoured a pragmatic political approach, taking the view that they needed to promote short-term stability at any price, thereby sacrificing some important principles of justice. For a long time little was done to follow-up evidence implicating KLA members in crimes against the Serbian population and against certain Albanian Kosovars. Immediately after the conflict ended, in effect, when the KLA had virtually exclusive control on the ground, many scores were settled between different factions and against those considered, without any kind of trial, to be traitors because they were suspected of having collaborated with the Serbian authorities previously in place.

 

Sempre fui contra a intervenção da NATO do Kosovo porque, na prática, ela nada resolveu, apenas criou um estado pária e falhado que suga dinheiro aos contribuintes europeus e serve como plataforma do banditismo internacional.

publicado por Rui Oliveira às 15:55
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 2 de Janeiro de 2010
Feliz Ano Novo em Espanha

Dizia o ditado popular que "de Espanha nem bons ventos, nem bons casamentos". O que agora se pode dizer é que certamente não queremos imitar a receita espanhola para sair da crise. Zapatero deu uma prendinha para o dia de Reis e, assim, segundo esta notícia de ABC, o ano começa em Espanha com mais impostos sobre a poupança e o trabalho e, em Julho, aumento do IVA.

 

Sem dúvida que os espanhóis estão bem contentes com as perspectivas.

publicado por Rui Oliveira às 11:34
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009
Ainda o referendo na Suíça

Recomenda-se a leitura de Ivan Rioufol no seu "Bloc-notes: hommage à la résistance du peuple suisse".

publicado por Rui Oliveira às 09:51
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Junho de 2009
Não é preciso embandeirar em arco...

...mas esta notícia da TSF não deixa de ser significativa (apesar de todos os cuidados que temos que ter com sondagens para as Europeias), pois mostra que nem a campanha rasteira do PS e do Vital tem conseguido enganar os eleitores.

publicado por Rui Oliveira às 23:43
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 9 de Maio de 2009
A Elisa emprestada

Elisa Ferreira diz que quer é mesmo ir para Porto e que só emprestou o nome à lista do PS para a Europeias. Afinal, ao contrário do que o PS disse, parece que ela só está lá para cumprir as quotas impostas.


Por isso Rangel tem razão quando diz «o PS não pode ter credibilidade nacional e internacional e ter uma lista às eleições europeias, como a lista do PS, onde os candidatos europeus dizem alto e bom som, como Elisa Ferreira, que vai às eleições para dar o nome, só para assinar. Que projecto é este?»

 

Se a presença simultânea de Ana Gomes e Elisa Ferreira como candidatas nas autárquicas e europeias já era um pouco estranho, denotando, para muitos, oportunismo, declarações como estas só vêm fragilizar ainda mais a posição destas candidatas (sobretudo, obviamente, a de Elisa Ferreira.

 

O PS quer dar lições de moral aos outros, mas só dá tiros nos pés.

publicado por Rui Oliveira às 18:45
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Abril de 2009
Obsessão americana

Os presidentes americanos têm uma obsessão quanto à entrada da Turquia na União Europeia. Na senda de George W. Bush, vem agora Obama botar faladura sobre o assunto. Claro que Sarkozy reagiu na TF1:

 

"Je travaille main dans la main avec le président Obama, mais s'agissant de l'Union européenne, c'est aux pays membres de l'Union européenne de décider", a déclaré Nicolas Sarkozy, interrogé sur la déclaration de son homologue, en duplex depuis Prague où il participe au sommet UE-Etats-Unis.

"J'ai toujours été opposé à cette entrée et je le reste. Je crois pouvoir dire qu'une immense majorité des Etats membres (de l'UE) est sur la position de la France", a-t-il ajouté.

"La Turquie, c'est un très grand pays allié de l'Europe et allié des Etats-Unis. Elle doit rester un partenaire privilégié, ma position n'a pas changé", a déclaré le chef de l'Etat.

 

Por seu lado, o inefável Zapatero, que continua a acreditar naquela treta da Aliança das Civilizações, diz que se deve manter a porta aberta à entrada da Turquia na UE.

 

Só um cego ou um crente em teorias mais ou menos absurdas de fraternidade universal e de construção de paraísos na terra é que pode acreditar que a Turquia seria uma boa adição para a União Europeia, ainda para mais se se confirmar o que vem escrito no El Mundo sobre as concessões feitas à Turquia para que esta aceitasse o nome o agora ex-primeiro-ministro dinamarquê Rasmussen (sublinhados do jornal):

 

Turquía recibió cinco concesiones por parte de la Organización del Tratado del Atlántico Norte (OTAN) a cambio de que accediera ayer en la cumbre de la alianza en Estrasburgo a la elección del primer ministro danés, Anders Fogh Rasmussen, como próximo secretario general de la organización. Entre ellas, Rasmussen tendrá que ofrecer un signo de disculpa por su actitud durante la controversia por la publicación de las caricaturas de Mahoma en un diario danés, al comienzo de un encuentro de la Alianza de Civilizaciones mañana lunes en Estambul, informaron hoy medios turcos.

Además, se espera que Dinamarca actúe contra la emisora de televisión kurda Roj Tv instalada en su territorio, que Turquía considera portavoz del proscrito Partido de los Trabajadores del Kurdistán (PKK).

El resto de las concesiones consisten en tres altos puestos de alto rango para Turquía en el seno de la OTAN: el número de dos de Rasmussen, un cargo de alto rango con responsabilidad para Afganistán y un puesto responsable del control de armamento.

 

Se isto for verdade é uma verdadeira vergonha para a NATO.

 

A Turquia nunca deverá entrar na União Europeia. Embora durante centenas de anos o Império Otomano tenha ocupado uma boa parte da Europa Oriental, a Turquia actual, pura e simplesmente, não é Europa e pouco partilha com ela, para além de uma pequena parte do território e muita história.

 

 

publicado por Rui Oliveira às 23:58
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Março de 2009
Liberdade de expressão

A liberdade de expressão é um conceito sempre na boca de muitos, mas frequentemente atropelado por aqueles que tanto o reclamam. Vem isto a propósito, deste post n'O Insurgente, com o qual estou totalmente de acordo, sobre a intervenção de Le Pen no Parlamento Europeu e do coro de pateadores da sua intervenção. Entre estes últimos, até há quem se vanglorie da sua participação no atentado à liberdade de expressão.

 

O conceito de liberdade de expressão não é novo na Europa Ocidental, pois era um conceito essencial para a democracia ateniense, visto que a isegoria (igualdade no falar) era um dos seus aspectos mais importantes, juntamente com a isonomia (igualdade de direitos ou perante a lei) e a isocracia (igualdade no poder). E, em Atenas, ao contrário dos dias de hoje, a liberdade de expressão era praticamente ilimitada. Como diz José Ribeiro Ferreira (in A democracia na Grécia Antiga, Coimbra, Livraria Minerva, 1990, p. 175):

 

Nenhuma democracia moderna, por mais aberta que seja, concede uma liberdade de expressão tão ampla como a que se vivia em Atenas.

 

Modernamente, aceitam algumas restrições à liberdade de expressão. Já John Stuart Mill,  em 1859, em On Liberty (tradução de Maria Teresa Malafaia, in O Pensamento Vitoriano, Lisboa, Edições 70, 1992, p. 78),  dizia que:

 

Ninguém pretende que as acções sejam tão livres como as opiniões. Pelo contrário, mesmo as opiniões perdem a sua imunidade quando as circunstâncias em que são expressas são tais que a sua expressão constitui uma instigação positiva para algum acto prejudicial


Na Europa Ocidental, alguns países punem, quanto a mim erradamente, todo aquele que faz declarações negacionistas, que negam o Holocausto ou a sua dimensão e importância. O que Le Pen fez ontem foi repetir um erro, uma opinião facilmente desmontável. Ora, por muito lamentáveis que sejam (e são!) as declarações de Le Pen, ele tem todo o direito a fazê-las. E as suas teses negacionistas não devem ser abafadas, devem é ser desmontadas e demonstradas como completamente falsas.

 

Todo o ruído que ontem foi feito no Parlamento Europeu para o abafarem só demonstra uma vontade totalitária de não ouvir os outros. E isso é preocupante. Ontem, foi a Le Pen, ninguém sabe se no futuro próximo, não será a qualquer outro deputado que se lembre de dizer algo que não agrade aos eurocratas.

publicado por Rui Oliveira às 16:23
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Junho de 2008
Pequena diferença

Quando se fala no fundamentalismo islâmico há sempre alguns que vêm contra-argumentar com o fundamentalismo cristão (sendo os evangélicos americanos os exemplos normalmente dados).

 

É claro que é uma comparação completamente disparatada, pois não há comparação possível. E, Ian McEwan, na defesa que faz de Martin Amis, diz porque essa comparação é desajustada, dizendo ainda pelo meio que despreza o Islão radical:

 

"This is logically absurd and morally unacceptable. Martin is not a racist. And I myself despise Islamism, because it wants to create a society that I detest, based on religious belief, on a text, on lack of freedom for women, intolerance towards homosexuality and so on - we know it well."

McEwan recognised that similar views were held by some Christian hardliners in America.

"I find them equally absurd," he said. "I don't like these medieval visions of the world according to which God is coming to save the faithful and to damn the others. But those American Christians don't want to kill anyone in my city, that's the difference."

 

Esta diferença é absolutamente fundamental. É pena que haja gente que não a consiga ver.

publicado por Rui Oliveira às 19:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds