Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Se a estupidez pagasse im...

. Desenhos...

. A exactidão nos meios de ...

. Ainda dizem que os portug...

. A tradução nos jornais

. Mais um

. Parece que sim...

. Público

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Sexta-feira, 11 de Outubro de 2013
Querida televisão...

Alimentar o monstro é preciso... Ao que parece temos um governo liberal. Palavra que gostava de ver onde paára essa característica liberal do governo (salvo o Adolfo Mesquita Nunes que ainda vai dando os poucos lampejos liberais deste governo). 

publicado por Rui Oliveira às 17:23
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Outubro de 2013
Desinformação ou ignorância?

No telejornal das 20 horas da TF1 (a partir dos 14.36 / Chapitre 8) de 07/10/2013, o apresentador Gilles Bouleau diz o seguinte (destaques meus):

 

Pendant ces inspections, la guerre civile fait toujours rage. Les combats prennent notamment au piège la communauté chrétienne du pays. Les chrétiens, environ 1 million, sont présents en Syrie depuis 1400 ans.

 

Os cristãos existem na Síria há 1400 anos? Onde é que ele foi buscar esta informação? Será que na TF1 não sabem que a Síria está intimamente ligada à disseminação do Cristianismo por toda a Ásia ainda no tempo dos Apóstolos? Que o Patriarcado de Antioquia foi, durante os primeiros séculos da Era Cristã, mais importante do que o de Roma? Que foi em Antioquia que, pela primeira vez, os Evangelhos foram pregados aos gentios (Act 11, 19-26) e que “Foi em Antioquia que, pela primeira vez, os discípulos começaram a ser tratados pelo nome de «cristãos»” (Act 11, 26)?

 

Isto já para não falar já na conversão de Saulo no caminho de Damasco (Act 9, 1-18)

 

Na Síria, Turquia ou Egipto, o Cristianismo antecede o Islão por vários séculos. Não são invasores. Estão lá há quase dois milénios. Mas há jornalistas que não sabem ou fingem não saber.

publicado por Rui Oliveira às 23:11
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2012
Se a estupidez pagasse imposto

as contribuições dos nossos jornalistas (os estrangeiros não são melhores) já teriam pago o défice há muito tempo. Hoje, o Público vem dizer que as declarações do Romney sobre as janelas dos aviões era uma piada. Mas, não era isso óbivio? Quem ontem tivesse lido os jornais americanos mais importantes (embora na Internet blogues e outros tenham pegado no assunto), por exemplo, veria que eles não deram destaque nenhum a essas afirmações (NYT, Washington Post, por exemplo). Porquê? Porque sabiam que tinha sido uma piada.

 

O texto de ontem do Público é paradigmático de como a comunicação social portuguesa (no seu enviesamento esquerdista) tratou o assunto, como se fosse algo sério. O texto do Diário de Notícias é ainda de uma maior má-fé. O artigo do Correio da Manhã demonstra laxismo e preguiça. também. Vê-se que o jornalista (nem este nem os outros) tiveram qualquer dúvida em tomar o material recebido como bom e nem sequer se interrogou se aquilo era bem verdade.

 

Isto mostra também como é a imprensa actualmente. Recebe-se umas coisas do estrangeiro, não se pensa sobre o assunto, debita-se para o jornal (frequentemente em tradução mal amanhada), e pronto, já está!

publicado por Rui Oliveira às 08:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 22 de Janeiro de 2012
Desenhos...

Há uns dias , o Hélder Guégués referia o uso de "desenhar" como sinónimo de "conceber", por exemplo, chamando-lhe anglicismo semantico. Este uso, segundo o Hélder foi "carinhosamente adoptado pela comunicação social". Bem, parece-me que o Hélder tem razão, pois ainda hoje, no noticiário do meio-dia da RTP Informação, dizia-se, a propósito da Capital Europeia da Cultura em Guimarães, que o grupo catalão La Fura dels Bauls tinha "desenhado" um espectáculo específico para o evento. Não há dúvida, parece que esta acepção pegou de estaca. Enfim...

publicado por Rui Oliveira às 12:16
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 13 de Novembro de 2011
A exactidão nos meios de comunicação social

Quando ouvimos/lemos/vemos notícias nos diferentes meios de comunicação social, esperamos um pouco de exactidão daquilo que dizem, sobretudo em factos básicos e facilmente comprováveis. Por isso, já estou a ficar irritado com algo que a SIC Notícias tem vindo a dizer deste ontem: que Berlusconi foi primeiro primeiro-ministro durante 17 anos.

 

Até uma coisa simples como ir à Wikipedia e procurar por Silvio Berlusconi obterá uma resposta simples sobre o tempo do mesmo como primeiro-ministro:

 

1.º Mandato de 10 de Maio de 1994 a 17 de Janeiro de 1995;

2.º Mandato de 11 de Junho de 2001 a 17 de Maio de 2006; e
3.º Mandato de 8 de Maio de 2008 a 12 de Novembro de 2011.

 

Como se pode ver, não há modo de a soma dos mandatos chegar a 17 anos. Que ele chegou pela primeira vez ao governo há 17 anos é outra coisa. Mas não se está a falar do mesmo. Não houve ninguém na SIC Notícias que desse conta do erro?

publicado por Rui Oliveira às 18:18
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Outubro de 2011
Ainda dizem que os portugueses não são inteligentes...

Segundo o Público, "Portugueses são os que menos vêem o clima como maior problema mundial":

 

Apenas sete por cento da população – um em cada 14 residentes – acha que se trata do mais sério problema que a humanidade está neste momento a enfrentar e 28 por cento dizem que é um dos três maiores problemas actuais. A média da União Europeia é de 20 por cento e 51 por cento, respectivamente.

 

Bom, ainda bem que há algo em que os portugueses mostram que há vida inteligente no país.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Outubro de 2011
A tradução nos jornais

Que todos os dias quando abrimos os jornais encontramos erros de tradução mais ou menos clamorosos (bem, a discussão sobre o que é um erro de tradução pode ser algo verdadeiramente complexa, mas aqui até sou vou falar daqueles que são evidentes) é quase um facto da vida. Se tivessemos que apontar esse tipo de erros, não teríamos tempo para mais nada. Por isso, não foi com surpresa que vi este texto no Linguagista sobre um artigo no Público on-line (publicado em 06.09) que levou a uma carta de uma leitora ao provedor do leitor do jornal, criticando a tradução e sintaxe desse mesmo artigo, não faltando mesmo um malfadado "eventually" traduzido por "eventualmente" (como acontece com demasiada frequência).

 

O texto do Helder Guégués despertou-me curiosidade para visitar o blog do provedor do leitor do Público, José Queirós, para ver a resposta e a justificação da Direcção do jornal e, francamente, não fiquei espantado.

 

Diz então Bárbara Reis, directora do Público:

 

Usa­mos tra­du­to­res pro­fis­si­o­nais para gran­des tex­tos, publi­ca­dos na revista, por exem­plo
No dia-a-dia já tive­mos secre­tá­rias com essa for­ma­ção e espe­ci­a­li­dade, mas tal não é ver­dade há uns anos, dada a gra­dual dimi­nui­ção da redac­ção.
Os jor­na­lis­tas usam fon­tes em várias lín­guas. Alguns dos erros que nota­mos não tem a ver com igno­rân­cia, mas com dis­trac­ção. Ou seja, alguém que passa o dia a ler ou a falar em inglês, quando vai escre­ver não se aper­cebe das tra­du­ções lite­rais que está a fazer. É um pro­blema que só se con­se­gue resol­ver refor­çando o número de desks e edi­to­res online, inca­pa­zes de lerem com aten­ção todos os 150 tex­tos que publi­ca­mos por dia.
Esta­mos neste momento a equa­ci­o­nar esse mesmo reforço.

 

O Público até usa tradutores, mas para grandes textos na revista. Antes tinhas secretárias com essa formação e especialidade. Alto! Secretárias que tinham a formação e especialização de tradução. Então, eram tradutoras, não secretárias! Ou eram secretárias que faziam traduções nas horas vagas ou entre outros afazeres? Que tipo de formação e especialização? É que ser tradutor não é uma questão de ter ou não um curso de tradução. É um bocadinho mais do que isso.

 

Mas o terceiro parágrafo é verdadeiramente espantoso. Os jornalistas não erram por ignorânica, mas por distracção: "alguém que passa o dia a ler ou a falar em inglês, quando vai escrever não se apercebe das traduções literais que está a fazer". Sinceramente, nem acredito que leio isto. Por um lado, talvez isso aconteça pelo facto de eles não serem tradutores. Um tradutor passa o dia a ler em língua estrangeira para escrever um texto em português (neste caso) e não é por isso que faz traduções literais.

 

Em segundo lugar é bastante grave que um jornalista não tenha a sensibilidade para perceber que o texto que escreveu não está em bom português ou num português minimamente escorreito. É que alguns decalques sintácticos soam tão mal que o jornalista deveria perceber que haveria algo de errado com o seu texto (por ex. a frase que a leitora dá como exemplo de má construção "e há estirpes muito resistentes que a medicina actual tem menos e menos ferramentas para lutar contra" e que no texto actualmente on line já foi retocada com "cada vez menos" a substituir "menos e menos").

 

O que me parece é que muito jornalismo actual é feito à base de traduções e que nem toda a gente é competente para as fazer. O controlo é inexistente (e não só para as notícias que são traduzidas). E que, também, não basta saber línguas para as saber fazer.

publicado por Rui Oliveira às 23:54
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Outubro de 2011
Mais um

Por vezes, a leitura dos jornais pode ser algo muito engraçado. No Correio da Manhã, leio que um caçador foi detido pela GNR e que:

 

Na sequência da detenção, que ocorreu cerca das 17h55, os militares da GNR apreenderam a arma do caçador, 13 cartuxos e uma peça de caça.

 

Um leitor menos versado nestas coisas da caça haveria de pensar por que raio teriam sido os frades apreendidos. Continua-se a escrever bem na comunicação social, sem dúvida.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011
Parece que sim...

Terça-feira passada, o Hélder Guégués terminava um post com a seguinte pergunta: Senhoras jornalistas, então agora é assim que se escreve?

 

Tudo isto porque as ditas senhoras jornalistas tinham escrito «Júlia Pinheiro respondeu ontem às provocações feitas por Teresa Guilherme, que a sucede em Casa dos Segredos, reality show que se estreia a 18 de Setembro na TVI.»

 

Bom, não são só essas senhoras jornalistas que escrevem assim, pois, hoje, no Jornal de Notícias, a propósito da morte do ex-presidente da Câmara Municipal de Alcaboaça, pode-se ler o seguinte:

 

José Gonçalves Sapinho (PSD) deixou a Câmara Municipal de Alcobaça nas últimas eleições autárquicas, em 2009, nas quais já não foi candidato por motivos de saúde. Paulo Inácio (PSD) foi quem venceu e o sucedeu no cargo.

 

Enfim...

publicado por Rui Oliveira às 13:02
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Novembro de 2009
Público

O Público tem a partir de hoje uma nova direcção que decidiu apresentar-se por um editorial que não considero como particularmente feliz, com alguns lugares comuns.

 

No entanto ao ler isto:

Os editoriais, a partir de hoje, deixarão de ser assinados. Os editoriais expressarão o pensamento desta direcção e deste jornal sobre o mundo que procuramos descrever, compreender e analisar página a página. Não queremos doutrinar nem vender receitas. Queremos interrogar o mundo. Daremos expressão a todos os pontos de vista, mas afirmaremos os nossos. Os editoriais serão escritos pelo novo Gabinete Editorial, composto pela direcção e mais cinco jornalistas do PÚBLICO - Teresa de Sousa, Jorge Almeida Fernandes, Margarida Santos Lopes, Ricardo Garcia e Vítor Costa.

 

não pude deixar de me lembrar deste dito francês:

 

"un chameau est un cheval dessiné par un comité".

 

Podem dizer-me que é habitual grandes órgãos de comunicação não terem editoriais assinados, mas o facto é que eu prefiro que o sejam.

 

Para além daquela de quererem "interrogar o mundo" ser mais um lugar comum sem qualquer significado ou conteúdo. Fica bonito... mas não quer dizer nada.

 

Não se poderá dizer que o Público perdeu hoje um leitor, pois eu nunca fui um leitor fiel do Público (nem do Público, nem de nenhum jornal, compro o que mais interessa em cada dia), mas o facto é que este editorial, para mim, não é propriamente a melhor maneira para "repor essa credibilidade ameaçada".

 

Já agora, os elementos da nova direcção pode explicar o que querem dizer com isto: ""conscientes que estamos da percepção pública de um excesso de peso ideológico no jornal". O que é que isso quer dizer? Que com a saída de JMF, o peso ideológico deixou de existir? É que se há algum peso ideológico no jornal, ele não era apenas o do JMF, mas principalmente o de alguns jornalistas e das suas notícias(?) tendenciosas e opinativas, sempre simpáticas para a esquerda e extrema esquerda.

 

Enfim, mais um que entrou na ordem.

publicado por Rui Oliveira às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds