Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Terça-feira, 25 de Outubro de 2011
Épater le bourgeois...

José Rodrigues dos Santos pensou que, tendo vendido já tantos livros, lhe faltava o título de autor perseguido pela Igreja (se calhar com inveja de Saramago), como se isso fosse tão perigoso como ser perseguido pela Inquisição. Vai daí, e seguindo o caminho (discutível) de Dan Brown, decidiu que ia revelar a verdadeira identidade de Cristo e isto através de um "romance". Qual estudo académico, qual quê! Qual estudar o originais? nem é preciso! Lê-se umas coisas que outros escreveram e, prontos!, sai "romance" a desmascarar o verdadeiro retrato de Jesus. Enfim, para pretensioso, não está mal...

 

Se há textos bem estudados, esses textos são os do Antigo e do Novo Testamento. E não é de agora, há séculos que inúmeros académicos se dedicaram à exégese. Ao contrário dos muçulmanos que consideram o Alcorão como tendo sido revelado por Deus a Maomé, os cristãos consideram que a Bíblia foi inspirada por Deus, mas os que escreveram os seus livros são homens, pelo que os textos podem e devem ser interpretados. Todo o processo de constituição do cânone bíblico é constantemente estudado, o porquê de terem entrado uns livros e outros terem ficado de fora.

 

A entrevista que Rodrigues do Santos deu a uma colega sua na RTP é bastannte simbólica disso. Todas as perguntas e dúvidas de que ele fala são perguntas há muito feitas. Tudo era requentado, sem uma única novidade. Mas depois, quer-nos fazer crer que, através da história ficcional, apresenta factos que não podem ser contraditados. Enfim, presunção e água benta cada um toma a que ter.

 

No fim de contas, um livro apenas para o "escândalo", para tentar vender um pouco mais. Parece que conseguiu, pois a Igreja Católica já veio criticar o livro. Nihil noui sub sole.

publicado por Rui Oliveira às 19:26
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Outubro de 2011
Um boa medida

Hoje na primeira página do Expresso está a proposta de uma medida, por parte do governo, com a qual eu concordo plenamente: O fim dos subsídios de férias e de Natal e a integração do seu valor nos salários mensais. É isso que acontece em muitos países por toda a Europa.

publicado por Rui Oliveira às 09:16
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011
A função do Estado não é reconhecer a liberdade: é limitar-se em função dela

Na sessão comemorativa do encerramento das comemorações do centenário daRepública, hoje, apenas um discurso valeu a pena: o de Adolfo Mesquita Nunes do CDS. Vale a pena ouvir.

publicado por Rui Oliveira às 17:39
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011
Para que serve andar na universidade?

Ouve-se frequentemente dizer que a actual geração de jovens é a mais qualificada de sempre e que apesar disso está no desemprego. Sempre pensei que o facto de ser ter uma licenciatura (por exemplo) não tinha que dar direito a ter um emprego. Através do Instapundit cheguei a este artigo de Charlie C. W. Cooke intitulado "Don't Occupy Education?" que também aborda este problema (destaques meus):

 

The number of people participating in the Occupy Wall Street sit-ins because they are angry that their education has not yielded the fruits that they hoped it would becomes more apparent by the day. Many of the protesters I have met are understandably ruffled that they are unemployed, and they often finish their remonstrations with a non-sequitur, delivered as if it were a knockout blow: “And I went to college!” Well, one might ask, “So what?” 

 

I first noticed this “college = good life” fallacy back in England. A close friend of mine was looking for a job straight out of college, and remained unemployed for six months while he searched for what he described as a “graduate job.”

 

Aqui em Portugal também já ouvi muito licenciado dizer que tinha que arranjar um emprego adequado às suas qualificações (e, ainda por cima, na "sua área"). Como se tal fosse um direito divino!

 

In the West, we are hard at work establishing a culture that fetishizes education, and instills the belief that college — regardless of its content or application — will, and should, inexorably lead to a better job, or a better life, or even a better America. Worse, that one has a right to these things. In doing so, we have created a Potemkin aristocracy, one based upon the erroneous and tragic conceit that having letters after one’s name intrinsically confers excellence. We are happily encouraging our children to join its ranks, regardless of whether there is any evidence that to do so will be in their interest.

 

De facto, para muita gente, a educação é a panaceia para tudo. Infelizmente, não é. Não é que eu seja contra o se ter um curso superior. É lógico que um curso superior dá melhores hipóteses de se conseguir um melhor emprego. Mas, sobretudo, tem que dar uma capacidade para ter um melhor desempenho, mesmo em tarefas em que não é preciso ter uma licenciatura. Eu sei que sou melhor tradutor por ter o curso que tenho. Mas o curso foi apenas a base, o resto foi trabalho meu. Não conheço praticamente nenhum recém-licenciado de tradução que esteja completamente apto para ser tradutor independente.

 

Um licenciado tem que saber em que medida o facto de ter tirado essa licenciatura melhorou a suas capacidades e, também, convencer um potencial empregador das vantagens em o contratar e de lhe mostrar aquilo que poderá aportar como mais-valia à empresa.

 

Estar à espera de um emprego conforme às qualificações académicas e, ainda por cima, na sua área de estudos, é estar a candidatar-se ao desemprego de lonfa duração. Um curso não é um direito a um emprego, mas apenas mais uma ferramenta que nos permitirá ter sucesso na nossa vida.

publicado por Rui Oliveira às 23:38
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Outubro de 2011
Ainda dizem que os portugueses não são inteligentes...

Segundo o Público, "Portugueses são os que menos vêem o clima como maior problema mundial":

 

Apenas sete por cento da população – um em cada 14 residentes – acha que se trata do mais sério problema que a humanidade está neste momento a enfrentar e 28 por cento dizem que é um dos três maiores problemas actuais. A média da União Europeia é de 20 por cento e 51 por cento, respectivamente.

 

Bom, ainda bem que há algo em que os portugueses mostram que há vida inteligente no país.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Outubro de 2011
A tradução nos jornais

Que todos os dias quando abrimos os jornais encontramos erros de tradução mais ou menos clamorosos (bem, a discussão sobre o que é um erro de tradução pode ser algo verdadeiramente complexa, mas aqui até sou vou falar daqueles que são evidentes) é quase um facto da vida. Se tivessemos que apontar esse tipo de erros, não teríamos tempo para mais nada. Por isso, não foi com surpresa que vi este texto no Linguagista sobre um artigo no Público on-line (publicado em 06.09) que levou a uma carta de uma leitora ao provedor do leitor do jornal, criticando a tradução e sintaxe desse mesmo artigo, não faltando mesmo um malfadado "eventually" traduzido por "eventualmente" (como acontece com demasiada frequência).

 

O texto do Helder Guégués despertou-me curiosidade para visitar o blog do provedor do leitor do Público, José Queirós, para ver a resposta e a justificação da Direcção do jornal e, francamente, não fiquei espantado.

 

Diz então Bárbara Reis, directora do Público:

 

Usa­mos tra­du­to­res pro­fis­si­o­nais para gran­des tex­tos, publi­ca­dos na revista, por exem­plo
No dia-a-dia já tive­mos secre­tá­rias com essa for­ma­ção e espe­ci­a­li­dade, mas tal não é ver­dade há uns anos, dada a gra­dual dimi­nui­ção da redac­ção.
Os jor­na­lis­tas usam fon­tes em várias lín­guas. Alguns dos erros que nota­mos não tem a ver com igno­rân­cia, mas com dis­trac­ção. Ou seja, alguém que passa o dia a ler ou a falar em inglês, quando vai escre­ver não se aper­cebe das tra­du­ções lite­rais que está a fazer. É um pro­blema que só se con­se­gue resol­ver refor­çando o número de desks e edi­to­res online, inca­pa­zes de lerem com aten­ção todos os 150 tex­tos que publi­ca­mos por dia.
Esta­mos neste momento a equa­ci­o­nar esse mesmo reforço.

 

O Público até usa tradutores, mas para grandes textos na revista. Antes tinhas secretárias com essa formação e especialidade. Alto! Secretárias que tinham a formação e especialização de tradução. Então, eram tradutoras, não secretárias! Ou eram secretárias que faziam traduções nas horas vagas ou entre outros afazeres? Que tipo de formação e especialização? É que ser tradutor não é uma questão de ter ou não um curso de tradução. É um bocadinho mais do que isso.

 

Mas o terceiro parágrafo é verdadeiramente espantoso. Os jornalistas não erram por ignorânica, mas por distracção: "alguém que passa o dia a ler ou a falar em inglês, quando vai escrever não se apercebe das traduções literais que está a fazer". Sinceramente, nem acredito que leio isto. Por um lado, talvez isso aconteça pelo facto de eles não serem tradutores. Um tradutor passa o dia a ler em língua estrangeira para escrever um texto em português (neste caso) e não é por isso que faz traduções literais.

 

Em segundo lugar é bastante grave que um jornalista não tenha a sensibilidade para perceber que o texto que escreveu não está em bom português ou num português minimamente escorreito. É que alguns decalques sintácticos soam tão mal que o jornalista deveria perceber que haveria algo de errado com o seu texto (por ex. a frase que a leitora dá como exemplo de má construção "e há estirpes muito resistentes que a medicina actual tem menos e menos ferramentas para lutar contra" e que no texto actualmente on line já foi retocada com "cada vez menos" a substituir "menos e menos").

 

O que me parece é que muito jornalismo actual é feito à base de traduções e que nem toda a gente é competente para as fazer. O controlo é inexistente (e não só para as notícias que são traduzidas). E que, também, não basta saber línguas para as saber fazer.

publicado por Rui Oliveira às 23:54
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Outubro de 2011
Mais um

Por vezes, a leitura dos jornais pode ser algo muito engraçado. No Correio da Manhã, leio que um caçador foi detido pela GNR e que:

 

Na sequência da detenção, que ocorreu cerca das 17h55, os militares da GNR apreenderam a arma do caçador, 13 cartuxos e uma peça de caça.

 

Um leitor menos versado nestas coisas da caça haveria de pensar por que raio teriam sido os frades apreendidos. Continua-se a escrever bem na comunicação social, sem dúvida.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds