Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Domingo, 21 de Março de 2010
O novo anti-semitismo

Shmuel Rosner entrevista por escrito Robert Solomon Wistrich, autor de “Lethal Obsession”, em que este explica o que é o novo anti-semitismo:

 

The “new” anti-Semitism is a somewhat unsatisfactory term often used to denote extreme hostility to Israel – a hatred which aims to demonize its actions, defame its character and delegitimize its existence. In fact, there is no clear or neatdividing-line between “old” and “new” anti-Semitism beyond the greater focus today on the negation of Israel’s right to exist and the fact that contemporary anti-Semites more frequently tend to be Muslim rather than Christian or that they come from the Left as much as they do from the Right. The “new” anti-Semitism often claims to be no more than justified “criticism” of Israel’s policies. There are, however, a number of ways to test this. The “critics” will usually be covert or overt anti-Semites if they engage in any of the following manoeuvres:

 

a.) They will blame Israel for all the problems of the Middle East and of the contemporary world from the financial crash to global terrorism.

b.) They ignore virtually all infringements of human rights around the globe except for those allegedly perpetrated by Israel against the Palestinians. Naturally Palestinian Jihadism and terror is downplayed.

c.) They firmly believe or assume that there is a Jewish/Israeli Lobby which controls American foreign policy or manipulates the West – especially against the Islamic world and the Palestinians.

d.) They systematically turn Israelis into “Nazis” and Palestinians into “Jews.”

e.) They apply classic antisemitic myths and stereotypes about Jewish greed, rapacity, cruelty, exploitation, bloodthirsty vengefulness and “racial” superiority to the behavior of the Jewish State. The result is to portray Israel as a fusion of Samson, Joshua and Shylock.

publicado por Rui Oliveira às 01:54
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Março de 2010
Carta Pastoral de Bento XVI

A Carta Pastoral de Bento XVI aos católicos irlandeses pode ser lida aqui na sua versão portuguesa.

 

Por fim, a Igreja Católica está a deixar para trás toda uma cultura de encobrimento que, obviamente, muito mal lhe fez. Esta atgitude vem com pelo menos 20 anos de atraso.

 

Mas, mais vale tarde do que nunca. Não sei é se será suficiente.

publicado por Rui Oliveira às 22:07
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Março de 2010
Anti-semitismo

Não poderia estar mais de acordo com este post de Jorge Costa. Há coisas que não se discutem, mesmo que venham disfarçadas, por exemplo, de anti-sionismo (que não é mais do que anti-semitismo encapotado).

publicado por Rui Oliveira às 09:28
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Março de 2010
Trocas-te?

Quando um primeiro-ministro é apresentado numa cerimónia pública pelo nome que lhe é dado no Contra-Informação, certamente muito é dito sobre o respeito com que o dito primeiro-ministro é considerado (penso que ninguém acredita que tal não foi dito de propósito, não sendo por isso um lapsus linguae).

 

Infelizmente, é o ponto em que estamos.

publicado por Rui Oliveira às 23:54
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Março de 2010
Legendagens...

O caso contado por José Mendonça da Cruz sobre a legendagem do filme Estado de Guerra em que "oil tanker" é traduzido como "petroleiro" é apenas, mais do que a demonstração da incompetência de quem fez a legendagem, a enésima demonstração de que para traduzir não basta saber línguas. E o contexto também ajuda... entre outras coisas.

 

Mas o mal que este tipo de erros tem é que o resto da legendagem pode estar impecável, mas um erro destes põe uma mácula indelével sobre a mesma, pois é um erro demasiado grosseiro.

publicado por Rui Oliveira às 18:50
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Março de 2010
Tiro no pé

O que se passou na cabecinha dos congressistas para aprovarem uma norma "que determina a expulsão dos militantes que sejam apoiantes, mandatários ou candidatos contra o partido"?

 

Está tudo louco? Se querem unicidade, parece-me que estão no partido errado.

tags:
publicado por Rui Oliveira às 23:48
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 13 de Março de 2010
Era esta a boa moeda?

No Congresso do PSD, Santana Lopes faz sem dúvida uma boa pergunta.

tags:
publicado por Rui Oliveira às 17:03
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Março de 2010
Cinema português

Através do Público fiquei a saber que os realizadores e produtores de cinema portugueses fizeram um Manifesto pelo cinema português, onde alegam que "nunca como hoje ele esteve tão ameaçado".

 

E por esse motivo, e após vários considerandos, rematam a petição da seguinte forma:

 

O cinema português, que vale a pena, tem hoje em dia, apesar da paralisia, quando não da hostilidade, dos poderes públicos, um indiscutível prestígio internacional. Os seus realizadores, actores, técnicos, produtores, não deixaram de trabalhar apesar de tudo o que se tem vindo a passar. Está na altura de os poderes públicos assumirem as suas responsabilidades.
É necessária uma nova Lei do Cinema, mas é urgente uma intervenção de emergência no cinema português.

 

Para mim não está em causa a qualidade ou falta dela do cinema português, tal como me é indiferente se fazem filmes para o público ou não (no cinema, nunca andei atrás dos  blockbusters), pois, mais uma vez o que está aqui em questão é haver uma actividade subsidiada por dinheiros públicos. Por que raio é que o pessoal das actividades  ditas culturais pensa que tem que ser subsidiado pelo Estado? Por ser culto e ilustrado? Enfim...

publicado por Rui Oliveira às 10:28
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Março de 2010
Eu também quero uma fundação... (2)

A Dona Pilar del Rio acha que a polémica acerca da instalação da Fundação José Saramago é "rasca, absurda e estúpida". Pelos vistos, a senhora acha que questionar o modo como os dinheiros públicos são utilizados é rasca, absurdo e estúpido. É preciso ter lata.

 

O que está em causa é que a Fundação é uma entidade privada que quer viver (ou receber) à custa de (montantes avultados) de dinheiros públicos. Assim é fácil fazer uma fundação. Não há nada de mesquinhez ou inveja querer saber como é gasto o dinheiro dos contribuintes. Não está em causa a qualidade literária do escritor, tem é que se saber é se o dinheiro públiclo vair ser bem aplicado. E, para mim, neste caso, não!

 

Para que servirá a Casa dos Bicos. Segundo uma notícia no sítio da Fundação diz-se que:

 

"(...) a Casa estará aberta a Lisboa e à Cultura, que será um centro de debates de ideias, encontros literários, apresentações de livros, recitais, projecções de cinema não comercial, exposições e todas aquelas propostas que a sociedade vá procurando. Cinco andares para a cultura e para o debate cívico no centro de Lisboa: esse é o projecto da Fundação José Saramago para a Casa dos Bicos, desta forma restituída ao uso público."

 

E para fazer isto é preciso o dinheiro dos contribuintes? Será que a "cultura e debate cívico" que aí se fará será de todos os quadrantes políticos, ou defenderá apenas a visão política e cultural esquerdista e esquerdizante do Senhor Saramago? É que o dinheiro dos contribuintes é de contribuintes que vão da extrema-direita à extrema-esquerda.

 

Eu acho muito bem que Saramago queira contribuir para a cultura e o debate cívico, mas, de preferência, que o faça com o seu dinheiro.

publicado por Rui Oliveira às 23:39
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Março de 2010
Eu também quero uma fundação...

É impressionante como um certo tipo de gente, normalmente ligada à esquerda ,consegue ter fundações pagas pelos contribuintes. Este caso da fundação de Saramago é paradigmático. Independentemente da qualidade de escritor (que não é por ser prémio Nobel que é bom) do mesmo Saramago (qualidade que não posso apreciar por ainda não ter lido qualquer livro dele - as minhas prioridades de leitura não passam, verdadeiramente, por ele), por que raio temos que ser nós a pagar a fundação dele (e, já agora, a de Mário Soares, por exemplo)?

 

Há pessoas que fazem fundações com o seu próprio dinheiro e há outras que fazem fundações com o dinheiro de todos nós. Será isto a tal de ética republicana?

 

 

publicado por Rui Oliveira às 13:25
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds