Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009
2009 não deixa saudades

Este ano que acabará em breve não deixa muitas saudades. Aliás todo este início de séc. XXI é um perfeito desastre para Portugal, pelo que a crise apenas que rebentou no ano passado apenas veio acrescentar um pouco mais de miséria.

 

O problema vem desde o consulado de Guterres, tempo em que as reformas deveriam ter sido feitas, mas em que o governo socialista de então preferiu gastar alegremente e em festa o dinheiro então chegado.

 

Acabada a festa guterrista, tivemos os governos de coligação PSD/CDS e, mais uma vez, uma oportunidade perdida. Durão Barroso nada fez, nada reformou e Santana Lopes também . É cerrto que não o deixaram, nunca saberemos do que seria capaz, mas a acumulação de episódios infelizes, uma má imprensa e um presidente socialista interromperam a experiência (de qualquer modo, Santana já reconheceu que foi um erro ter aceitado o governo naquelas condições).

 

Desde 2005 que somos (des)governados por Sócrates (não pelo PS). É para mim claro que este senhor tem um projecto de poder pessoal, comportamentos autoritários e pouco dado a aceitar críticas. Sócrates desperdiçou a sua maioria absoluta em guerras estúpidas e em pseudo-reformas que não chegaram a lado nenhum. Como bons socialistas que são aumentaram a despesa e fizeram a "consolidação" orçamental à base de impostos (tendo a carga fiscal aumentado), tendo aumentado o peso do Estado na economia.

 

Agora, depois de ter perdido a maioria absoluta, o governo Sócrates parece cansado e não irá, de modo algum, tomar as medidas necessárias. Irá é, certamente, inventar mil artifícios para sacar mais dinheiro dos contribuintes, porque se há coisa que não sabe fazer é cortar na despesa, para além de ir insistir na quimera do investimento público.

 

Enfim, 2010 também não augura nada de bom.

publicado por Rui Oliveira às 13:53
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009
Acordo Ortográfico

Hoje o Público tem o Acordo Ortográfico em manchete, tratando o assunto em vários artigos, tendo até dedicado um editorial "Por que rejeitamos o acordo" para dizer que não o vai seguir.

 

Sobre o assunto, não tenho muito a dizer, apenas que tem feito correr mais tinta do que merece. Em primeiro lugar, não sei se era verdadeiramente necessário um novo acordo ortográfico. A uniformização da ortografia não é assim tão grande como isso e o que mais afasta as variantes europeia e brasileira do português está longe de ser a ortografia.

 

É absolutamente natural que a ortografia evolua e também é natural que haja uma norma. Aliás no séc. XIX, como eu já referi num post passado, Teixeira de Vasconcelos queixou-se da anarquia reinante na ortografia portuguesa em meados do séc. XIX. Só em 1911 é que se concluiu o primeiro acordo ortográfico. Ainda assim, Fernando Pessoa em 1934 editou a Mensagem com uma ortografia arcaizante.

 

Por mim, como tradutor, a questão é simples, farei a tradução na versão que o cliente quiser. Facto é que, se quiser o trabalho segundo o Acordo Ortográfico de 1990, vou ter que o estudar um pouco mais, pois ainda tenho algumas dúvidas (o Acordo é muito mais do que acção->ação ou óptimo->ótimo e outras que tais).

 

Por outro lado, a questão do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa também é importante, pois como diz Margarita Correia (na notícia do Público):

 

"O texto legal [do acordo] é aberto, mas é ambíguo e tem até contradições internas. Mas ninguém o vai ler quando tiver uma dúvida. O que se espera é que haja especialistas que façam a interpretação através do Vocabulário".

 

Ora, se o Acordo Ortográfico de 1990 é ambíguo, algo não correu muito bem na sua elaboração (para além da também mencionada facultividade entre diversas formas - lá se foi a intenção uniformizadora). Por fim, não posso deixar de achar piada quando a notícia refere o seguinte (sublinhado meu):

 

"O acordo remete muitas vezes para uma tradição, mas em lugar nenhum define qual é essa tradição. Por isso optámos por regularizar bastante a ortografia". Em muitos casos isto significou tirar os hífens (de "cor-de-rosa", por exemplo, que o acordo admitia com hífens referindo a "tradição", ao mesmo tempo que deixava sem hífen "cor de vinho"). Quando a referência é a pronúncia optou-se por seguir a da região de Lisboa.

 

Por que é que se optou por seguir a pronúncia da região de Lisboa? Será por acaso a mais "correcta"? Ou foi "porque sim"?

 

Para mim, o problema do Acordo Ortográfico de 1990 não está se cedemos mais ou menos do que o Brasil na nossa ortografia (isso não me interessa nada), mas mais na sensação de que ele não resolverá aquilo que pretende resolver, isto é, de que a existência de duas ortografias é prejudicial para a língua portuguesa ("A existência de duas ortografias oficiais da língua portuguesa, a lusitana e a brasileira, tem sido considerada como largamente prejudicial para a unidade intercontinental do português e para o seu prestígio no Mundo."- Portal da Língua Portuguesa - Memória breve dos acordos ortográficos)

 

É que, como qualquer pessoa que, por exemplo, leia textos técnicos sabe, não é por se escrever com a mesma ortografia que a diferença entre as duas variantes se vai atenuar. Um texto brasileiro será sempre um texto brasileiro, como um texto português será sempre um texto português a nível de estrutura sintática e terminologia, só para dar um exemplo.

 

Por último, só para dizer que todo este processo foi, no mínimo, mal conduzido pois desde 1990 andamos a discutir isto.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009
Sem dúvida

Não posso deixar de concordar com Pacheco Pereira quando diz:

 

Ou seja, sem condicionantes de emprego, carreira, interesses económicos, dependência dos cargos e acima de tudo real, absoluta, profunda independência do governo e do establishment

do poder.

 

Mas, a um outro nível, como as distritais e secções ou mesmo núcleos, eu já ficava contente que os dirigentes tivessem uma vida para além da política.

publicado por Rui Oliveira às 23:52
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009
Verdades intemporais

Sempre pensei que uma das maneiras de matar o interesse dos jovens por certas obras literárias era colocá-los nos curricula do ensino secundário. Penso que muita gente acaba o secundário a detestar Os Lusíadas, Os Maias ou O Memorial do Convento (entre outras) porque as estudaram de uma maneira completamente espartilhada.

 

Descobri agora que afinal o que acontece a estas obras literárias já acontecia a outras, como a Eneida, quase dois mil anos atrás na Roma Imperial. Estava eu a ler os Epigramas de Marcial (Edições 70), quando deparo com estes versos (livro VIII, 3, trad. Paulo Sérgio Ferreira):

 

[...]

«Como podes tu, ingrato, abandonar as doces bagatelas?

Diz-me cá: com a tua preguiça, que é que melhor farás?

Acaso te apraz trocar o soco pelos trágicos coturnos

ou reboar, em verso de iguais pés, o horror das guerras,

para seres ditado, com voz rouca, por um inchado professor

e odiado por moças já grandotas e prendados rapazinhos?

[...]

 

Nem o grande Virgílio escapava a este facto.

 

publicado por Rui Oliveira às 23:38
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2009
O verdadeiro democrata

Enquanto na blogosfera portuguesa anda para aí gente muito contentinha com a agressão a Berlusconi ( como se sabe um perigosíssimo proto-fascista e por isso merecedor da agressão), o muito admirado camarada bolivariano que (des)governa a Venezuela já nem disfarça que se quer tornar num ditadorzeco e acaba de mandar às malvas a independência do poder judicial.

 

Essa coisa da separação de poderes é coisa antiga, que não comove o camarada Chavez, não. O progressismo chavista é assim.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009
Idiotice em estado puro...

Desta vez vem da Grã-Bretanha onde um tribunal britânico ia emitir mas depois não emitiu um mandado de captura contra Tzipi Livni por supostos crimes de guerra ocorridos na ofensiva em Gaza há cerca de um ano.

 

Enfim, se os ingleses se dedicassem mas é a caçar os terroristas que têm em casa é que faziam bem. Agora dar largas a estas fantasias de jurisdições universais, um dia, vai acabar mal para alguém e não sei se os países que detêm estas juridisções não se irão arrepender.

 

Entretanto, em Israel, nega-se que esse mandado tenha existido, mas o facto é que ela não pôs os pés em Inglaterra (e fez bem...).

 

Israel tem sido o país mais cuidadoso, quando em guerra, para com as populações civis, até porque enfrentam assassinos que não têm problemas em se disfarçar junto da população civil, casuando-lhe inúmeras mortes desnecessárias. No entanto, toda a intellegentsia europeia dedica-se a demonizar o único país do Médio Oriente que é uma verdadeira democracia.

 

publicado por Rui Oliveira às 23:52
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 13 de Dezembro de 2009
Está a ficar bem...

... mas ainda pode ficar melhor. Depois do empate do Benfica em Olhão, ontem, o Porto só tem é que ganhar hoje para poder, na próxima jornada, passar à frente do Benfica. É claro que aquelas mentes benfiquistas tenebrosas já viram conspirações devido à expulsão do Di María ou do amarelo ao Coentrão, mas nada dizem do David Luiz. Queixam-se do primeiro golo do Olhanense, esquecem-se de golos que já marcaram de livres ou penáltis inexistentes.

 

Enfim, é preciso apenas que o Porto cumpra a sua obrigação e na Luz ajustam-se contas.

publicado por Rui Oliveira às 11:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009
Ainda o referendo na Suíça

Recomenda-se a leitura de Ivan Rioufol no seu "Bloc-notes: hommage à la résistance du peuple suisse".

publicado por Rui Oliveira às 09:51
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009
Líricos...

Através do 5 dias fiquei a saber que há uns pândegos que querem realizar uma ioditice qualquer chamada "No Berlusconi Day". Que Berlusconi não flor que se cheire, estamos de acordo. Mas também considero que entre ele e o Prodi, os italianos fizeram a escolha certa.

 

Quanto à democracia italiana estar em perigo, tenho as minhas dúvidas. Parece-me que a portuguesa está bem pior. Mas, afinal, o que é que estes senhores querem. Berlusconi foi eleito e a menos que cometa alguma crime, deverá cumprir o seu mandato se para isso tiver engenho e arte (embora as coisas no seu governo não estejam a ir lá muito bem).

 

Mas, enfim, que ser divirtam ao menos com a iniciativa.

publicado por Rui Oliveira às 21:29
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009
Tratado de Lisboa

Hoje, entrou em vigor o Tratado de Lisboa com (alguma) pompa e circunstância. De facto, também o motivo não era de muito pompa ou festa, pois o processo de ratificação deste tratado foi tortuoso e muito pouco transparente. A escolha de Van Rumpoy e Catherine Ashton foi também mais um sinal da falta de transparência e até da alguma irrelevância que os cargos para os quis foram escolhidos terão.

 

Enfim, a união burocrática a que temos tido direito.

publicado por Rui Oliveira às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds