Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009
A desilusão esperada

Apesar de galardoado com o prémio Nobel da Paz (sabe-se lá porquê), o facto é que Obama tem muito pouco para apresentar nestes primeiros 10 meses de presidência.

 

A obsessão de querer ser diferente de Bush, a mania que pode e deve dialogar com toda a gente (mesmo com gente que se está nas tintas para o caso), está a fazer com Obama pareça um novo Jimmy Carter. E, sabemos como isso foi absolutamente prejudicial para os EUA.

 

Até na Europa já se notou isto, como é o caso deste artigo do Der Spiegel: Obama's Nice Guy Act Gets Him Nowhere on the World Stage.

 

When he entered office, US President Barack Obama promised to inject US foreign policy with a new tone of respect and diplomacy. His recent trip to Asia, however, showed that it's not working.

publicado por Rui Oliveira às 16:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 15 de Novembro de 2009
Não podia estar mais de acordo

Tudo claro. Em Julho, um juiz e um procurador ( não confundir com mariscadores ou taxistas) , depois de muito escutarem, entenderam que o PM de Portugal devia ser investigado por trapaça. Altas instâncias mantiveram a coisa na patusca até Novembro.
Tivemos, portanto, eleições viciadas.

 

Filipe Nunes Vicentes (Mar Salgado)

publicado por Rui Oliveira às 23:50
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Novembro de 2009
Portugal - Bósnia

É sempre comovente ver milhares de espectadores comemorarem um golo de Bruno Alves no Estádio da Luz.

publicado por Rui Oliveira às 23:54
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Novembro de 2009
Datas...

Interessante o artigo de opinião de Francesco Alberoni hoje no I "Estudar as datas na escola ajuda a compreender a identidade do país" (cujo original "Studiare le date a scuola fa capire l'identità del Paese" foi publicado no Corriere della Sera em 02/11/2009).

 

Interessante porque, no breve período em que dei aulas, foi a incapacidade da maioria dos alunos (mesmo aqueles considerados bons) de ordenar cronologicamente os acontecimentos e a subsequente confusão que tal provocava na expressão dos seus pensamentos foi uma coisa que sempre me frustrou bastante. E u não dei aulas de História, mas de Português e Francês e não era raro os alunos colocarem a poesia galego-portuguesa no século XVI, por exemplo.

 

Alberoni queixa de fenómenos idênticos como se pode ver por este excerto:

 

Nos últimos 40 anos, os pedagogos quase destruíram as bases do pensamento racional e os fundamentos da nossa civilização. E fizeram-no com a ajuda de uma única decisão: eliminando as datas, acabando com a obrigatoriedade de apresentar os factos por ordem cronológica. Agora é normal ouvir dizer que Manzoni viveu no século xvi. Não há razões para espanto porque na escola já não se ensinam os acontecimentos pela respectiva ordem temporal, dizendo, por exemplo, que Alexandre Magno viveu antes de César, que, por sua vez, viveu antes de Carlos Magno, e só depois vem Dante e, em seguida, Cristóvão Colombo.

 

É claro que esta incapacidade para ordernar cronologicamente os acontecimentos, de conhecer as datas, tem consequências. O passado torna-se assim uma almágama. Não advogo que, por exemplo, se aprenda história a decorar datas. Mas o seu conhecimento ajuda.

 

E quem deu aulas sabe bem isso.
 

publicado por Rui Oliveira às 23:52
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009
O muro...

Faz hoje 20 anos que o muro de Berlim caiu e os alemães celebraram condignamente a data. Só o sujeito que ganhou o Nobel da Paz deste ano achou que tinha coisas mais importantes para fazer do que ir até Berlim. A sorte dele é que maior parte dos europeus continuam a ser totós e não vêm quanto ele despreza a Europa.

 

Por outro lado, ouvi durante todo o dia muita gente a falar da queda do muro para, logo a seguir, falarem de outros muros que ainda estão de pé e, está bom de ver, traziam à baila o muro construído por Israel. Certamente para tentar uma equivalência e para dizerem que também esse deveria ir abaixo. Como se houvesse qualquer equivalência...

 

O muro de Berlim, ao contrário, por exemplo, da muralha de Adriano ou da muralha de China que queriam impedir a entrada de invasores, era para manter o seu povo dentro do país, para que ele não fugisse para a Alemanha Ocidental. Aqui, em Portugal, ouvi muitas vezes cantar os louvores dessas sociedades que estavam para lá da cortina de ferro e, especificamente, da Alemanha Oriental, mas o que era verdadeiramente estranho é que as pessoas quisessem fugir desse paraíso.

 

Enfim, digam o que disserem, o facto é que o mundo mudou para melhor com a queda do muro. Celebremos, pois.

publicado por Rui Oliveira às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Novembro de 2009
O bom selvagem

Au reste, je ne suis point comme M. Rousseau, un enthousiaste des Sauvages; et quoique j'aie peut-être autant à me plaindre de la société, que ce philosophe avait à s'en louer, je ne crois point que la pure nature soit la plus belle chose du monde. Je l'ai toujours trouvée fort laide, partout où j'ai eu l'occasion de la voir. Bien loin d'être d'opinion que l'homme qui pense soit un animal dépravé, je crois que c'est la pensée qui fait l'homme. Avec ce mot de nature, on a tout perdu. De là les détails fastidieux de mille romans où l'on décrit jusqu'au bonnet de nuit, et à la robe de chambre; de là ces drames infâmes, qui ont succédé aux chefs-d'oeuvre des Racine. Peignons la nature, mais la belle nature: l'art ne doit pas s'occuper de l'imitation des monstres.

 

Chateaubriand, Atala, Préface à la première edition (1801)

publicado por Rui Oliveira às 16:49
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Novembro de 2009
Público

O Público tem a partir de hoje uma nova direcção que decidiu apresentar-se por um editorial que não considero como particularmente feliz, com alguns lugares comuns.

 

No entanto ao ler isto:

Os editoriais, a partir de hoje, deixarão de ser assinados. Os editoriais expressarão o pensamento desta direcção e deste jornal sobre o mundo que procuramos descrever, compreender e analisar página a página. Não queremos doutrinar nem vender receitas. Queremos interrogar o mundo. Daremos expressão a todos os pontos de vista, mas afirmaremos os nossos. Os editoriais serão escritos pelo novo Gabinete Editorial, composto pela direcção e mais cinco jornalistas do PÚBLICO - Teresa de Sousa, Jorge Almeida Fernandes, Margarida Santos Lopes, Ricardo Garcia e Vítor Costa.

 

não pude deixar de me lembrar deste dito francês:

 

"un chameau est un cheval dessiné par un comité".

 

Podem dizer-me que é habitual grandes órgãos de comunicação não terem editoriais assinados, mas o facto é que eu prefiro que o sejam.

 

Para além daquela de quererem "interrogar o mundo" ser mais um lugar comum sem qualquer significado ou conteúdo. Fica bonito... mas não quer dizer nada.

 

Não se poderá dizer que o Público perdeu hoje um leitor, pois eu nunca fui um leitor fiel do Público (nem do Público, nem de nenhum jornal, compro o que mais interessa em cada dia), mas o facto é que este editorial, para mim, não é propriamente a melhor maneira para "repor essa credibilidade ameaçada".

 

Já agora, os elementos da nova direcção pode explicar o que querem dizer com isto: ""conscientes que estamos da percepção pública de um excesso de peso ideológico no jornal". O que é que isso quer dizer? Que com a saída de JMF, o peso ideológico deixou de existir? É que se há algum peso ideológico no jornal, ele não era apenas o do JMF, mas principalmente o de alguns jornalistas e das suas notícias(?) tendenciosas e opinativas, sempre simpáticas para a esquerda e extrema esquerda.

 

Enfim, mais um que entrou na ordem.

publicado por Rui Oliveira às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds