Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 13 de Julho de 2009
Abnoxio

O Abnoxio faz hoje cinco anos. Daqui endereço um enorme abraço de parabéns ao Ademar (digo já que não o conheço). E um enorme abraço porquê? Porque o Abnoxio tem sido para mim, nos últimos anos, uma espécie de droga, isto, um daqueles poucos blogues que visito todos os dias. Porquê? Porque me põe, a maior parte das vezes, de bom humor. Mas, não é só por me pôr bem disposto. É porque também já lá aprendi alguma coisa. E isso já não é pouco.

 

Por isso, parabéns e que continue por muito tempo

publicado por Rui Oliveira às 13:52
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Julho de 2009
CR9

Gosto bastante de futebol, sendo de longe o desporto que mais entretém, por exemplo, na televisão, mas, francamente, pareceu-me bastante ridícula a maneira como as várias estações cobriram a apresentação de Ronado no Real Madrid.

 

É certo que os exageros televisivos na cobertura das coisas do futebol já tinham acontecido, por exemplo, com as eleições para presidente do Benfica, com directos intermináveis com entrevistas a pessoas na fila para votarem (tendo sido precedidos nos dias anteriores com discussões também elas intermináveis sobre aspectos jurídicos das mesmas), quando toda a gente já tinha percebido quem ia ganhar aquilo.

 

Enfim, futebol com bola a rolar e jogos a sério, sim; conversa mole sobre futebol, um bocadinho menos, sff.

publicado por Rui Oliveira às 23:59
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Julho de 2009
Honduras

A CNN, esta noite tem acompanhado a situação nas Honduras, com o possível regresso de Zelaya às Honduras. As coisas estão particularmente feias em redor do aeroporto da capital Tegucigalpa. Não tenho qualquer simpatia por Zelaya, mais um populista com interesses em mudar uma constituição que não lhe convinha, e também não sei se o dito Zelaya foi ou não constitucionalmente deposto. No entanto, parece-me que este regresso de Zelaya é um acto irreflectido, que arrisca a incendiar ainda mais o país. 

 

Quanto há comunidade internacional, foi muito rápida a condenar a acção dos militares e a isolar diplomaticamente as Honduras. Até os EUA de Obama o fizeram (mas, como se pode ver por estes primeiros meses desta administraçao, os amigos tradicionais dos EUA têm sido repetidamente ignorados, andado Obama com paninhos quentes com os seus inimigos). Oxalá não se venham a arrepender e a transformar a situação num banho de sangue.

publicado por Rui Oliveira às 23:55
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 4 de Julho de 2009
Do plágio em tradução a algumas leituras difíceis..

Nos últimos tempos não tenho tido muito tempo para blogar nem para ler alguns dos meus blogs preferidos. Mas, hoje, com um pouco mais de tempo, não quero deixar de falar de dois assuntos diferentes, mas que estão de algum modo ligado, ou seja, metem livros pelo meio.

 

O primeiro é a referência não a um post em especial, mas antes ao blog de uma tradutora brasileira, Denise Bottmann, que se chama Não gosto de plágio. De que plágio está a falar a Denise? Plágio de tradução. Sim, ao que parece há quem faça plágio de tradução.

 

A história conta-se em poucas palavras. No Brasil, há editoras que editam obras de autores de língua estrangeira que já estão em domínio público, mas utilizando traduções de pessoas que ainda estão vivas ou cujas traduções ainda não estão em domínio público (ou alguns que já estãom, mas atribuem-nas a outros como se fossem novas). Para evitarem pagar direitos de autor a estes tradutores, alteram os nomes dos tradutores diferentes, induzindo o público leitor em erro, pois assim, as traduções são apresentadas como se fossem traduções diferentes ou novas.

 

O problema é que, cotejando-se as várias traduções de uma mesma obra, verifica-se que as traduções são plagiadas. Até tradutores portugueses como Maria Helena da Rocha Pereira ou Adolfo Casais Monteiro, entre outros, foram plagiados.

 

No entanto, a luta da Denise, e também de outros, levou que uma editora retirasse do mercado a tradução com o nome do tradutor inventado, e fizesse uma nova edição, mencionando o verdadeiro tradutor.

 

É, sem dúvida, um caso triste de plágio e também um triste exemplo do (baixo) estatuto ou invisibilidade (seja lá o signficiado que demos a esta palavra) que o tradutor tem para muita gente, inclusivamente na edição literária.

 

Ligado com literatura, ou para alguns com a paraliteratura (cf. Aguiar e Silva in Teoria da Tradução), está o post inconsistência da Adriana sob a suas experiência de leitura de um livro de um jornalista-escritor da nossa praça.

 

A Adriana irrita-se com a inconsistência da personagem principal e os exemplos que dá são, verdadeiramente, signficiativos, tendo eu alguma experiência com um deles, o caso do alfabeto grego e cirílico. Não sei grego, mas sei ler o alfabeto grego. Ou seja leio grego como leio finlandês, isto é, não percebo nada de finlandês, mas como ele é escrito em alfabeto romano, consegue-se ver as palavras (bem se calhar sei mais palavras em grego, pois conheço aquelas palavras que me ficaram na cabeça desde o tempo das aulas de Introdução à Cultura Clássica e do estudo da Ilíada e Odisseia).  E de facto, conhecendo o alfabeto grego, dá para ler (não quero dizer compreender) algumas palavras em cirílico, sobretudo nomes (melhor ainda quando já temos uma vaga ideia do que procuramos).

 

Entre estas e outras inconsistências, a Adriana parou de ler o livro. E fica aborrecida por isso. Eu compreendo, também não gosto de deixar livros a meio, sejam eles aborrecidos, maus ou outra coisa qualquer. Mas. às vezes o que tem que ser tem muita força e, de qualquer modo, se calhar, a verdadeira razão é que estas inconsistências foram apenas a gota de água que fez acabar a paciência.

 

Eu sei que grandes autores também cometem deslizes - estou a agora a ler Chateaubriand e em Atala, ele menciona o rouxinol no Novo Mundo, quando ele afinal se restringe apenas ao Velho Mundo -, mas o problema, pelo que a Adriana dá a entender, é que o livro em questão nem sequer consegue ser verosímel.

 

Geralmente, também não me aventuro na leitura deste tipo de (para)literatura, sobretudo a mais recente, porque acabo por esbarrar em dezenas de lugares comuns e de situações mais ou menos esperadas que, francamente, me tiram todo o prazer a leitura (isto, apesar de alguma desta literatura até poder estar bem escrita). Como o meu tempo para ler é reduzido e eu faço questão de arranjar sempre um minutinos diários para o fazer, certo é que já não pego num livro destes há muito tempo (o meu Código da Vinci está a ganhar pó na prateleira - e só tenho este livro porque mo deram).

 

Enfim, há muita gente a escrever, mas não há tantos escritores assim.

publicado por Rui Oliveira às 23:45
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Julho de 2009
Pois

Não sei o que dizer desta notícia. Obviamente que Maria João Pires tem todo o direito de escolher a nacionalidade que quiser, mas as justificações é que se calhar não são muito boas. De que "coices e pontapés" fala ela? É por causa de Belgais? Mas será que alguém fez alguma avaliação e validade desse projecto? Claro que Maria João Pires é uma extraordinária pianista, mas não é isso que está em causa. Por ser uma extraordinária pianista, mas não é por isso que pode ter benefícios que outros portugueses não têm. Já há demasiada gente na cultura a viver à sombra do estado e dos seus subsídios.

 

Posso ser injusto, mas isto parece apenas uma birra de prima-donna que pensa que não recebeu aquilo que achava que deveria ter recebido.

publicado por Rui Oliveira às 23:54
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds