Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008
Bom ano

O trabalho não tem dado muito descanso e, por isso, não tenho escrito muito no blog, apesar de não faltarem motivos, desde a guerra de Israel contra o Hamas (mais os disparates que se ouvem na comunicação social daqueles que reclamam pela proporcionalidade, que acham que há um genocídio ou que Israel é como a África do Sul do tempo do apartheid ou ainda que Gaza está bloqueada apenas por Israel - como se o Egipto não fizesse o mesmo), das notícias sobre o aumento da carga fiscal em 2007 e da cobrança coerciva fiscal em 2008 (mais o claro desmentido de que se todos pagarem, todos pagarão menos - a carga fiscal em Portugal não pára de aumentar), aos dramas da cooperação estratégica PR/Governo, etc.

 

Mas não deu para escrever sobre isso e, por isso, apenas me limito a desejar um bom ano a todos os que me lêem (e aos que me não me lêem também), tendo o (não tão) secreto desejo de que os portugueses tenham juízo e ponham o Sócrates fora do poleiro.

 

Bom ano a todos.

publicado por Rui Oliveira às 16:35
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008
Natal

Las pajas del pesebre

 

Las pajas del pesebre,
niño de Belén,
hoy son flores y rosas,
mañana serán hiel.

Lloráis entre las pajas
de frío que tenéis,
hermoso niño mío,
y de calor también.

Dormid, cordero santo,
mi vida, no lloréis,
que si os escucha el lobo,
vendrá por vos, mi bien.

Dormid entre las pajas,
que aunque frías las veis,
hoy son flores y rosas,
mañana serán hiel.

Las que para abrigaros
tan blandas hoy se ven
serán mañana espinas
en corona cruel.

Mas no quiero deciros,
aunque vos lo sabéis,
palabras de pesar
en días de placer.

Que aunque tan grandes deudas
en paja cobréis,
hoy son flores y rosas,
mañana serán hiel.

Dejad el tierno llanto,
divino Emanüel,
que perlas entre pajas
se pierden sin por qué.

No piense vuestra madre
que ya Jerusalén
previene sus dolores,
y llore con Joseph.

Que aunque pajas no sean
corona para Rey,
hoy son flores y rosas,
mañana serán hiel.
 

Lope de Vega (1562-1635)

publicado por Rui Oliveira às 23:59
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008
Moedas e séculos...

Nos últimos tempos tem havido grandes descobertas em Israel. Ainda hoje tivemos mais uma notícia, desta vez um conjunto de moedas do século VII d.C.

 

O engraçado sobre esta descoberta foi a forma como a SIC-N deu esta notícia. Primeiro, disseram que as moedas eram do séc. XVII e, depois, dizem que foram "arqueologistas" que fizeram a descoberta.

 

A peça jornalística passou várias vezes, sempre com vários erros.

publicado por Rui Oliveira às 23:58
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 13 de Dezembro de 2008
Quem foi ao Mar, perdeu o lugar (na Taça de Portugal)

O Benfica até jogou melhor do que o Leixões, mas no fim foi o Leixões que passou.

 

No futebol não há justiça, ganha quem marca. Hoje, correu bem.

publicado por Rui Oliveira às 23:59
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008
100 anos

Manoel de Oliveira faz hoje 100 anos. Para os seus indefectíveis um mestre absoluto em que cada filme é uma obra-prima, para os seus detractores, um chato de primeira grandeza. Para mim, como se costuma dizer, nem tanto ao mar nem tanto à terra.

 

Devo confessar que não me considero como um cinéflio, embora, como toda a gente, goste de ver filmes (mas normalmente em casa em DVD ou na televisão, sou muito preguiçoso para ir ao cinema). A produção actual vinda de Hollywood não me encanta muito (demasiadamente politicamente correcta, cheia de "boas intenções" e "causas nobres" e outras tretas que tais). Por outro lado, o cinema europeu é o que é, e também não é lá grande coisa, mas, diga-se, eu até gosto de o ver.

 

Manoel de Oliveira não é um autor mais ou menos chato do que outros. Para mim, a chateza não está no facto de os planos serem muito longos, dos actores quase não se moverem, de falarem de mais ou de menos, etc. Tudo depende do que eu posso compreender ou não do que estou a ver, se se enquadra mais ou menos nos meus gostos (ou se não se enquadra, se me consegue seduzir). Por isso, um filme como JFK do Oliver Stone foi, para mim, um filme chato. Não achei piada nenhuma aquilo.

 

De Oliveira não vi muitos filmes: Aniki-Bóbó, Amor de Perdição, O meu caso, Os canibais. Isto é, todos eles anteriores a 1990.  Consegui vê-los até ao fim, sem problemas. Aniki-Bóbó é absolutamente fantástico. Os outros três são muito diferentes entre si, mas todos têm a sua piada.

 

Mas Manoel Oliveira é muito mais do que um realizador de cinema, é um caso único pela sua longevidade, mas também por tudo o quanto fez na vida. Pode dizer-se que além de ter uma vida longa, tem uma vida cheia.

 

Por tudo isto é um exemplo. Parabéns.

 

 

publicado por Rui Oliveira às 23:46
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008
Urânio empobrecido

Estava hoje a ver no canal Hollywood o filme O Chacal (The Jackal),  quando, a certa altura, o assassino está a experimentar a sua arma, na legendagem lesse que a munição era de "urânio deplectivo".

 

Claro que o se queria dizer era "urânio empobrecido", embora eu já tenha encontrado ainda "urânio depletado", "urânio exaurido" e "urânio esgotado" (estas três últimas em textos brasileiros, muito raramente em textos portugueses).

 

Não sei de quando data a tradução/legendagem, mas o facto é que o termo "urânio empobrecido" é, depois de todo o barulho que foi feito à volta dele pelo seu uso na ex-Jugoslávia, bastante conhecido.

 

O problema dos termos técnicos é que se não se utiliza o termo mais corrente, nota-se logo e tal pode manchar (justa ou injustamente) toda uma tradução, embora não se possa avaliar uma tradução por um caso isolado.

 

O problemas dos termos técnicos é que, alguns deles, são muito visíveis e atraem logo as atenções.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008
Eufemismos

Foi no mínimo surpreendente ouvir hoje António Vitorino, na RTP 1, substituir a conhecidíssima expressão "pescadinha de rabo na boca" pela nóvel "pescadinha de apêndice caudal na boca".

 

Não acredito que António Vitorino não tenha dito "rabo" por motivos politicamente correctos, nem por qualquer prurido em dizer rabo na televisão em horário nobre.

 

Isto é, acho eu que não foi por isso, mas também me escapa a razão. se calhar foi só para falarem dele (pois do que ele disse no programa já não me lembra nada. Não deve ter sido nada de muito importante).

publicado por Rui Oliveira às 23:55
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 7 de Dezembro de 2008
Dia da infâmia

Passam-se hoje 67 anos sobre o ataque japonês a Pearl Harbour que lançou os Estados Unidos na 2.ª Guerra Mundial.

 

Foi uma vitória táctica japonesa, mas estrategicamente foi um desastre, pois o ataque surpresa não conseguiu destruir os porta-aviões americanos (nem os submarinos), que foram a base do contra-ataque americano.

 

No entanto, este dia foi chamado pelos americanos "dia da infâmia", pois o ataque japonês foi efectuado sem uma declaração de guerra prévia. Foi Roosevelt, que num famoso discurso, enformou para sempre o modo como os americanos viram este dia:

 

"Yesterday, December 7, 1941 -- a date which will live in infamy -- the United States of America was suddenly and deliberately attacked by naval and air forces of the Empire of Japan."

 

Um discurso curto mas com um efeito dramático seguro que acentuava o lado traçoeiro do ataque japonês.

 

E, deste modo, a 2.ª Guerra Mundial entrava numa outra fase e alargava-se a outras regiões do globo.

publicado por Rui Oliveira às 23:59
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 6 de Dezembro de 2008
Nem tinha dado conta disso

Ontem, este blog fez 5 anos.

 

Não tenho dedicado muito tempo ao blog, nem sequer escrito um décimo do que queria, pelo que já pensei várias vezes fechar o blog. Mas não consigo.

 

Por isso, mesmo com a irregularidade que o tem caracterizado nos últimos meses, o blog lá se vai manter. Por quanto tempo, não sei.

publicado por Rui Oliveira às 18:01
link do post | comentar | favorito
|
Justiça nas praxes

Já por várias vezes me manifestei contra as praxes, pelo que esta notícia é muito bem-vinda.

 

Dizem que as praxes é para a intregação dos novos alunos. Balelas! E para integrar os caloiros não é necessário andar a pastoreá-los pelas ruas das cidades e a pô-los a comer erva ou a rebolar pelo chão. É tudo uma idiotice pegada.

 

Também não me falem em tradição. Eu até gosto da tradição, mas há tradições que deixam de ter sentido e essas devem ser abandonadas.

 

 

Talvez agora os praxistas tomem nota que, havendo quem se disponha a denunciar, as praxes não podem ser actos de humilhação e achincalhamento totalmente impunes.

publicado por Rui Oliveira às 13:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds