Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 30 de Junho de 2008
Embrulhem mais uma!!!

Pinto da Costa não vai a julgamento no caso da fruta. Foi este o despacho do do TIC do Porto.

 

Agora é que vai haver má disposição lá para os lados da Luz...

publicado por Rui Oliveira às 14:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Junho de 2008
Más ideias

Parece que nos BET Awards o pessoal que foi premiado, mais alguns que por lá passaram, não paravam de falar no Obama. Ok, é problema deles se querem o Obama como presidente.

Mas, depois começam a fazer pedidos muito estranhos:


During his monologue, host D.L. Hughley cracked jokes about Obama. Other attendees were more flattering. Backstage, Humanitarian Award winner Quincy Jones said he wanted Obama to be elected and create a Secretary of Culture position.

Mas, para que é que os americanos haveriam de querer um Ministério da Cultura? É que o nosso não serve para nada (não é só o nosso). A cultura não se faz com ministérios....

Só dão más ideias ao Obama...

publicado por Rui Oliveira às 00:56
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Junho de 2008
Pequena diferença

Quando se fala no fundamentalismo islâmico há sempre alguns que vêm contra-argumentar com o fundamentalismo cristão (sendo os evangélicos americanos os exemplos normalmente dados).

 

É claro que é uma comparação completamente disparatada, pois não há comparação possível. E, Ian McEwan, na defesa que faz de Martin Amis, diz porque essa comparação é desajustada, dizendo ainda pelo meio que despreza o Islão radical:

 

"This is logically absurd and morally unacceptable. Martin is not a racist. And I myself despise Islamism, because it wants to create a society that I detest, based on religious belief, on a text, on lack of freedom for women, intolerance towards homosexuality and so on - we know it well."

McEwan recognised that similar views were held by some Christian hardliners in America.

"I find them equally absurd," he said. "I don't like these medieval visions of the world according to which God is coming to save the faithful and to damn the others. But those American Christians don't want to kill anyone in my city, that's the difference."

 

Esta diferença é absolutamente fundamental. É pena que haja gente que não a consiga ver.

publicado por Rui Oliveira às 19:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Junho de 2008
Exames

Começou a época de exames e, como de costume, começou também a polémica. Para já, o exame de Português está a dar alguma bronca.

 

A ministra diz que as críticas da APP são um erro. Mas não diz porquê. Já tenho o exame, mas ainda não o vi com atenção. Mas, logo à partida, parece-me que há uma maldadezinha: pôr Camões é mesmo muito mauzinho. Tenho a impressão que nem professores, nem alunos estavam à espera. Mas, Camões está no programa, lá isso está...

 

Ontem ouvi, na televisão, alguns alunos a dizer que tinha sido fácil. Tenho algumas dúvidas quanto a isso.

 

Vou ver se tenho tempo de ver o exame com olhos de ver.

publicado por Rui Oliveira às 23:48
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008
Pronto...

... é agora que o Alka-Seltzer vai esgotar nas farmácias da Luz.

publicado por Rui Oliveira às 16:57
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Junho de 2008
Voz da sanidade mental

Enquanto Sarkozy, Brown, Barroso, Sócrates e Cavado, entre outros, querem que o processo da ratificação de Lisboa continue, Vaclav Klaus, presidente da república checa, disse que o processo da ratificação não pode continuar. Tão simples como isso.

 

E, é bom lebrar, a República Checa ainda não ratificou o tratado...

publicado por Rui Oliveira às 21:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Junho de 2008
A perfect day

Primeiro isto FC Porto: UEFA reenvia  decisão  para a primeira instância  e clube participa na Champions

 

Depois, isto Ireland votes No to Lisbon Treaty

publicado por Rui Oliveira às 12:35
link do post | comentar | favorito
|
Porto na Champions

Segundo as televisões SIC-N e RTPN o Porto mantém-se nas Champions.

 

Ai, ai, tanto Alka-Seltzer vai esgotar nas farmácias lá para os lados da Luz.

publicado por Rui Oliveira às 12:13
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Junho de 2008
O "dia da Raça" (II)

No tempo da ditadura salazarista (eu não chamo a esse tempo, sob o qual vivi a minha infância e início de adolescência - e do qual não tenho saudades-, "fascismo" porque se há uma coisa que não existiu em Portugal foi "fascismo", mas sim uma ditadura autoritária) festejava-se um "Dia da Raça".

 

Que raça era esta que se festejava. Era uma espécie de "raça ariana" à moda portuguesa? Encontrei uma resposta aqui, por Conceição Meireles da FLUP:


Que ‘raça’ é comemorada a 10 de Junho?


“Quando se tenta exaltar o dia da Raça, é a raça do povo português entendida de uma forma geral, global”. O que está em causa é a “originalidade” e “a capacidade dos portugueses”, explica Conceição Meireles. “O Estado Novo sempre quis sublinhar a originalidade do povo português face aos outros povos europeus. Por alguma razão este pequeno povo tinha uma História de séculos; era dos Estados mais antigos da Europa e tinha um Império colonial que quase nenhum outro país europeu possuía”. Esta era a “raça do povo português que tinha de ser “exaltada a todo o custo”, era a “raça no sentido do dia do povo português”. De acordo com Conceição Meireles, o conceito de raça no Estado Novo deve ser entendido no sentido em que significa “um povo diferente, aparentemente frágil, mas com valores que lhe permitiram grandes realizações”. No dia da Raça e de Camões “exaltava-se a nação e o império, a metrópole e as colónias”.

 

Estamos muito longe de qualquer tentativa científica de definição de "raça". Aliás, quem ler a "Arte de Ser Português" de Teixeira de Pascoaes poderá ler, por exemplo:

 

RAÇA


Desejo agora referir-me, sobre tudo, ao sentido que anima, n'este livro, a palavra raça.

Empregámo-la como significando um certo numero de qualidades electivas, (n'um sentido superior) proprias dum Povo, organisado em Patria, isto é, independente, sob o ponto de vista politico e moral.

Taes qualidades são de natureza animal e espiritual, resultantes do meio fisico (paisagem) e da herança etnica, historica, juridica, literaria, artistica, religiosa e mesmo economia.

Herança, n'este caso, significa tambem tradição.

Uma raça tem assim os caracteres d'um sêr vivo, e como tal a devemos considerar.

 

[Teixeira de Pascoaes (1920). Arte de Ser Português, Renascença Portuguesa:Porto, 2.ª edição]

 

Esta ideia de "originalidade" do povo português estava disseminada na cultura portuguesa há já bastante tempo. O Estado Novo aproveitou-se dela para dar novos significados e justificar com a história o que estava a acontecer na época.

 

Agora ver no lapsus linguae cavaquista mais do que isso ou, ainda mais, sinistras  simpatias com ideais racistas ou similares é perfeitamente estúpido.

publicado por Rui Oliveira às 21:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
O "dia da Raça"

Uma pequena declaração de Cavaco, mais um "lapsus linguae" e, pronto, lá temos a extrema-esquerda a dizer que se trata "de uma afirmação grave" ou então "se trata de um lamentável equívoco ou existe outra explicação para a utilização do termo", pelo que pedem esclarecimentos.

 

O outro grupo de extrema-esquerda com representação parlamentar diz que o Presidente da república recuperou "a terminologia racista e segregadora do estado Novo".

 

E pronto, lá querem eles fazer disto uma "questão política que merece discussão". Enfim...

 

Se o presidente disser que se enganou, que foi um lapso, tudo bem. Eu acredito. Mas, se eu fosse a ele, já não diria mais nada. Com todos os seus defeitos, Cavaco Silva não tem que receber lições de democracia de marxistas, estalinistas, trostkistas, maoístas e quejandos.

 

Podem-me dizer que as pessoas que lutaram contra a ditadura salazarista poderão ficar ofendidas. Acredito e tenho que respeitar isso, Mas, também acredito que a maioria dos opositores saídos de movimentos comunistas e de extrema-esquerda não queriam implantar em Portugal um regime democrático e parlamentar, mas sim, uma ditadura, só que desta vez de extrema-esquerda. Isto é, Portugal continuaria a não ser um país democrático.

 

publicado por Rui Oliveira às 14:31
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds