Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007
Spe Salvi
Quem quiser já pode ler a nova encíclica papal "Spe Salvi". Ainda não a li toda, mas deixo aqui um excerto (destques meus):

21. Com a sua vitória [do partido comunista], porém, tornou-se evidente também o erro fundamental de Marx. Ele indicou com exactidão o modo como realizar o derrubamento. Mas, não nos disse, como as coisas deveriam proceder depois. Ele supunha simplesmente que, com a expropriação da classe dominante, a queda do poder político e a socialização dos meios de produção, ter-se-ia realizado a Nova Jerusalém. Com efeito, então ficariam anuladas todas as contradições; o homem e o mundo haveriam finalmente de ver claro em si próprios. Então tudo poderia proceder espontaneamente pelo recto caminho, porque tudo pertenceria a todos e todos haviam de querer o melhor um para o outro. Assim, depois de cumprida a revolução, Lenin deu-se conta de que, nos escritos do mestre, não se achava qualquer indicação sobre o modo como proceder. É verdade que ele tinha falado da fase intermédia da ditadura do proletariado como de uma necessidade que, porém, num segundo momento ela mesma se demonstraria caduca. Esta « fase intermédia » conhecemo-la muito bem e sabemos também como depois evoluiu, não dando à luz o mundo sadio, mas deixando atrás de si uma destruição desoladora. Marx não falhou só ao deixar de idealizar os ordenamentos necessários para o mundo novo; com efeito, já não deveria haver mais necessidade deles. O facto de não dizer nada sobre isso é lógica consequência da sua perspectiva. O seu erro situa-se numa profundidade maior. Ele esqueceu que o homem permanece sempre homem. Esqueceu o homem e a sua liberdade. Esqueceu que a liberdade permanece sempre liberdade, inclusive para o mal. Pensava que, uma vez colocada em ordem a economia, tudo se arranjaria. O seu verdadeiro erro é o materialismo: de facto, o homem não é só o produto de condições económicas nem se pode curá-lo apenas do exterior criando condições económicas favoráveis.
tags:
publicado por Rui Oliveira às 15:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007
Da coragem dos artistas
Via Instapundit cheguei a este artigo bastante interessante: Artists too frightened to tackle radical Islam de Ben Hoyle. Coomo bem refere o artigo, e falando da situação em Inglaterra, os artistas são sempre tremendamente corajosos em "escandalizarem" atacando a religião cristã, mas abstem-se de fazer o mesmo em relação ao Islão. Por que será? Bem, a resposta é dada no artigo, de um modo bastante directo e brutalmente honesto:

"I’ve censored myself,” Perry said at a discussion on art and politics organised by the Art Fund. “The reason I haven’t gone all ouIt attacking Islamism in my art is because I feel real fear that someone will slit my throat.”

A isto chama-se coragem artística...

É por isso que, quando dizem que todos os fundamentalismos religiosos são iguais, só me posso rir. Se o fossem, os artistas também não se meteriam a fazer "obras de arte" escandalosas com a religião cristã.

Mas, pelo que se depreende do artigo, parece que a intimidação está a ganhar terreno às liberdade de expressão e artística (pelo menos no que diz respeito ao Islão).

Enfim... miser Europa
publicado por Rui Oliveira às 23:46
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007
Revolução de Outubro
Esta revolução faz hoje 90 anos. Não é aniversário de que alguém se possa orgulhar. O rol de horrores que se seguiu é demasiado extenso para isso...

No entanto, ela continua a ter os seus saudosistas. É pena. Agora, era altura de a atirar para o cesto de lixo da história e avançar.

Mas acho que não é isso que vai acontecer... pelos menos para alguns.
publicado por Rui Oliveira às 23:55
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007
Há rankings e rankings...
Anda para aí muita excitação a propósito dos rankings das escolas. O facto é que, de um modo ou de outro, as pessoas procuram ter informação factual de modo a avaliar as escolas. É perfeitamente humano. Como também é perfeitamente humano que nenhum ranking seja perfeito. Agora, o que não se pode negar é que, imperfeito ou não, os rankings acabam por nos dar algum tipo de informações úteis. É preciso saber o que procuramos. Mas a esse assunto voltarei mais tarde, se para isso conseguir tempo para escrever com um pouco mais de profundidade.

Hoje, só queria assinlar esta curiosa notícia sobre a avaliação de escolas em Nova Iorque. É que lá, independentemente do que pensemos dos rankins, a avaliação das escolas tem consequências:

Chancellor Klein has said that principals who receive D’s and F’s could face administrative reorganization at their schools, or be removed from the system entirely. Principals who do well on the report cards are eligible for bonus pay, and teachers at certain schools whose schools’ grades improve from this year to next will also be eligible for bonuses, under a recent agreement with the city teachers’ union.

Também tenho para mim outra verdade. nenhum defensor da escola pública quer a publicitação de um ranking, seja ele qual for. Hão-de achar sempre que esse ranking não dá a imagem exacta da escola. E, até têm alguma razão. É que não há ranking que dê a "fotografia total". Mas isso é como estar sempre à espera de comprar um computador da última geração para ter o "nec plus ultra" (o que, como se sabe, à velocidade com que a informática se desenvolve actualmente, é impossível).

Os rankings acabam por pôr a nu algumas verdades que, normalmente, são bastante negativas para os defensores da escola exclusivamente pública (a igualdade de oportunidades continua a ser uma miragem dentro do sistema público, por exemplo).
publicado por Rui Oliveira às 23:51
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Novembro de 2007
Pois é
Post no Tradutor Profissional com o qual não poderia estar mais de acordo.
publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 3 de Novembro de 2007
Comunitarismo e laicismo

É de leitura recomenda o interessante artigo de Catherine Kintzler “La laïcité face au communautarisme et à l’ultra-laïcisme“. Um excerto:


Les laïques ont combattu et combattent le communautarisme sous la forme de la première dérive. Mais ils doivent aussi avoir le courage de combattre, y compris en leur propre sein, l’ultra-laïcisme dogmatique. Celui-ci non seulement ruine la laïcité en la vidant de son sens, mais, en pourchassant dans la société civile les manifestations religieuses ou d’appartenance, il encourage le communautarisme et coalise autour des appartenances ainsi menacées des solidarités inespérées. C’est pourquoi la dérive « laïciste » est symétrique de la dérive communautariste : en stigmatisant les manifestations civiles d’appartenance, elle les transforme en étendard, ce qui cautionne leurs prétentions politiques. Soyons encore plus clair, à l’aide d’un exemple : pour donner raison à l’intégrisme musulman, un bon moyen est de réclamer l’interdiction du voile dans un hôtel, et bientôt dans le métro, dans la rue.

[…]

De même qu’il ne faut pas confondre le principe de laïcité qui vise la constitution même des droits et le principe de tolérance qui en est le résultat dans l’exercice des droits, ne confondons pas combat politique et combat idéologique : vouloir imposer ses convictions morales par la loi, c’est exposer la liberté à un grand danger.

Osons combattre le communautarisme et l’ultra-laïcisme, deux dérives symétriques et complices qui menacent la laïcité !


Talvez não fizesse mal a alguns laicistas da nossa praça pensarem no assunto.

publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2007
Liberdades individuais em perigo

No início da década de 70 do séc. XIX, Otto von Bismark, o todo poderoso chanceler do recém criado Deutsches Reich (Alemanha ou, de 1871 a 1918, Império Alemão), decidiu contrariar a influência que a Igreja Católica tinha dentro do Império, sobretudo no sul da Alemanha e na parte da Polónia ocupada então pela Alemanha. Promulgou então leis e decretos para tentar eliminar a influência da Igreja. Foi então que Rudolf Virchow, apoiante, de Bismarck e membro do partido liberal (Deutschen Fortschrittspartei) cunhou a palavra kulturkampft. Sabemos no que isso deu. Bismarck teve que recuar.


Mas as guerras culturais não pararam aí. É sabido que os campuses norte-americanos são um dos campos de batalhas preferidos para se travarem as culture wars entre social conservatives e social liberals durante os últimos 40 anos. Estes últimos, que nada têm de liberais no sentido europeu do termo (leitura recomendada: Alain Laurent (2006). Le Libéralisme américain – Histoire d’un détournement, Paris: Les Belles Lettres), têm uma grande proeminência nas universidades americanas, sobretudo nas humanidades. E é também nestas “progressistas” universidades americanas que direitos individuais como, por exemplo, a liberdade de expressão.


Foi isto que aconteceu na University of Delaware, que tinha em vigor um programa obrigatório, para os cerca de 7000 residentes na universidade, que os pretendia “reeducar” no sentido de uma certa visão de questões como raças, sexualidade, sociologia, ambiente, etc.

Este vasto programa de reeducação dos estudantes, foi denunciado pela FIRE (Foundation for Individual Rights in Education) em 30 de Outubro de 2007. A leitura deste press release é bastante elucidativa da monstruosidade deste programa. Através dos links proporcionados pelo artigo, pode-se ver até que nível ia a doutrinação para os valores “correctos”. O próprio programa era considerado como um “treatment” para corrigir os comportamentos dos estudantes. Blogs como Instapundit e Little Green Footballs pegaram também no caso, dando-o a conhecer amplamente não só por toda a blogosfera, como também os media.

Num primeiro tempo, a UD tentou defender o programa, concedendo que palavras como “treatment” eram no mínimo problemáticas, dizendo que tinha sido deturpado a sua intenção e que nem sequer era um programa obrigatório. Também esta carta, teve resposta por parte da FIRE.


O facto é que, o presidente da universidade, Patrick Harker, decidiu que não precisava desta má publicidade e acabou com o programa. Ainda dizendo que a ideia do programa tinha sido deturpada pelos seus detractores, acabou por reconhecer que o mesmo levantava muitos problemas, pelo que, o melhor era mesmo terminá-lo de imediato. Neste caso, a vitória da FIRE foi rápida.


Entretanto, a University of Delaware começou a remover artigos que tinham sido criticados pela FIRE e pelos bloggers. O que é que a universidade teme? Ou será que a qualidade dos mesmos não mereciam estar publicados na página de uma universidade?


Parece que por agora os estudantes da University of Delaware vão ser deixados em sossego. Mas nunca fiando, quem tem tendências totalitárias, tem a tendência de voltar à carga. O seu zelo missionário, geralmente, não tem limites.


Mas, não apenas a ideia do programa é no mínimo totalitária, como o material distribuído (e que algum do qual está agora a ser retirado), que fornece as definições sobre as quais o programa funcionava, é no mínimo extremista. A FIRE tem uns excertos de alguns exemplos das definições utilizadas. Por exemplo, a de “racista”:

“A RACIST: A racist is one who is both privileged and socialized on the basis of race by a white supremacist (racist) system. The term applies to all white people (i.e., people of European descent) living in the United States, regardless of class, gender, religion, culture or sexuality. By this definition, people of color cannot be racists, because as peoples within the U.S. system, they do not have the power to back up their prejudices, hostilities, or acts of discrimination. (This does not deny the existence of such prejudices, hostilities, acts of rage or discrimination.)” - Page 3

Segundo esta definição todos os brancos são racistas. Ponto final, parágrafo. As “pessoas de cor” não podem ser racistas (embora possam fazer actos recrimináveis). Esta definição de racista baseada numa teoria de poderes é particularmente perversa. E justifica muitas barbaridades.


Mas, no material de apoio, e que foi retirado, há um artigo de uma tal Sharon Martinas, intitulado “The Culture of White Supremacy”, escrito em 1994, que pode ser encontrado aqui. Este artigo tem uns parágrafos absolutamente espantosos. Passo a transcrever:

4. White culture labels the cultures of the Americas, Africa, Asia and the Arab world as inferior to cultures that have evolved in Europe. Futhermore, white culture actively promotes the historical lie that the culture that evolved in ancient Greece was the “fountainhead of western civilization.”

In fact, most of the great Greek scholars and poets went to Kemet (the name for ancient Egypt), which was na African culture and civilization, to study for years before they returned to create their own forms of wisdom. And the “renaissance” of Europe did not begin in Italy, as our textbooks say, but in Spain and Portugal, which, under the African and Arabic Moorish Empire of the 8th trough the 15th centuries preserved and recreated the wisdom of the ancient world, and developed the technology which allowed the Spanish and Portuguese to embark on their voyages of exploration and conquest of lands outside Europe.

Tanta falácia em tão poucas palavras. Tanta ideia falsa que os multiculturalistas gostam de espalhar, sem qualquer sustentação na realidade. Não a civilização grega não é original, provém do Egipto. Mas esta gente não se dá sequer ao trabalho de estudar um pouco. É claro que o Egipto e a Grécia tiveram contactos desde tempos muito recuados (o mundo micénico tinha contactos com o Império Novo egípcio). Mas, académicos gregos a estudarem no Egipto, só mesmo na época helenística e não se pode dizer que o Egipto ptolomaico era uma país de cultura e civilização africana (o tempo dos faraós já lá ia há muito tempo). O grego era a língua da corte ptolomaica e, aliás, a língua franca no Mediterrâneo oriental, ainda no tempo de Cristo.


Quanto à renascença, outro disparate. A sabedoria do mundo antigo não foi conservada em exclusivo pelos muçulmanos. Em Itália, a passagem da Antiguidade Tardia para a Alta Idade Média fez-se conservando-se muito do que tinha sido escrito em latim. O próprio Carlos Magno promoveu aquilo que se chamou o “renascimento carolíngio”. Se é verdade que a civilização sarracena atingiu grande brilhantismo e seu deu a conhecer autores gregos, desconhecidos então na Europa Ocidental, através das traduções árabes, o facto é que a civilização bizantina não era menos brilhante do que a civilização sarracena. Aliás, depois da queda de Constantinopla em 1453, e com a afluência de académicos gregos ao Ocidente, o conhecimento da língua grega e dos autores gregos expandiu-se dramaticamente.


Os portugueses e espanhóis certamente algo devem à civilização árabe, não se pode ignorar isso, mas dizer que foram exclusivamente os conhecimentos dessa civilização que permitiram a expansão dos povos peninsulares é, no mínimo, ridículo. Aliás, os portugueses é que pegaram em tecnologias existentes e as desenvolveram.


Estas deturpações e distorções à história são moeda corrente nos meios académicos anti-ocidentais. Tal como todo e qualquer branco é um racista, a civilização ocidental, para esta gente, é má e, ainda por cima, não é original. Não! Gente tão má não poderia fazer algo de bom…

publicado por Rui Oliveira às 20:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Em dia de finados
Carme 101

Multas per gentes et multa per aequora uectus
aduenio has miseras, frater, ad inferias,
ut te postremo donarem munere mortis
et mutam nequiquam alloquerer cinerem.
quandoquidem fortuna mihi tete abstulit ipsum.
heu miser indigne frater adempte mihi,
nunc tamen interea haec, prisco quae more parentum
tradita sunt tristi munere ad inferias,
accipe fraterno multum manantia fletu,
atque in perpetuum, frater, aue atque uale.

Depois de atravessar muitos países e muitos mares,
eis-me aqui, irmão, para estes tristes ritos fúnebres,
para te prestar a última exéquia da morte
e falar em vão à tua muda cinza.
Pois a fortuna me privou de ti, da tua própria pessoa,
Ai, desventurado mão, cruelmente me foste arrebatado!
Agora estes dons que, por antigo costume dos antepassados,
te são ofertados como triste homenagem aos mortes,
aceita-os, regados por copioso choro fraterno.
E para sempre, querido irmão, fica em paz. Adeus!

Catulo (2005), Odeio e amo, Introdução, selecção e tradução de José Ribeiro Ferreira, MinervaCoimbra: Coimbra.

Post scriptum. Quem quiser saber um pouco mais sobre Catulo sempre pode ler o que que escrevi sobre ele no meu blog Humanae Litterae em Catulo - Parte I e Catulo - Parte II.
tags:
publicado por Rui Oliveira às 10:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007
Sinceramente
Não havia necessidade...

Por vezes é verdadeiramente incompreensível... ou, talvez não.
tags:
publicado por Rui Oliveira às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds