Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 30 de Abril de 2007
O que está ele a fazer ainda lá?
Não, não estou a falar do Carmona Rodrigues, mas sim de Ehud Olmert, o ainda primeiro-ministro de Israel. Depois da saída do relatório Winograd, Olmert sou podia ter uma saída digna: a demissão.

Mas, parece que não é essa a sua intenção. É pena.
publicado por Rui Oliveira às 23:30
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Abril de 2007
França, está na hora
Bom, não será exactamente o "É a hora!" que Pessoa gritou no seu poema "Nevoeiro", mas a França está mesmo na hora de cortar com a herança de Mitterrand e do seu nepotismo e de Chirac e da sua política errática.

Dos candidatos que podem vencer, só Sarkozy pode de algum modo fazer isso. Não que  eu ponha muitas esperanças nele. Ma, comparando-o com Bayrou (que seria mais do mesmo) e Ségolène (um verdadeiro vazio e exemplo de impreparação), Sarkozy está muito acima.

Por isso, espero que Sarkozy seja o próximo presidente de França.

"Les jeux sont faits"
publicado por Rui Oliveira às 11:53
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Abril de 2007
Boas memórias
Leio no Expresso que os pais e professores da escola secundária Garcia da Orta, no Porto (para quem não saiba); estão contra os atrasos nas obras.Segundo se lê:

A chuva entra nas salas, o betão está a desfazer-se e a instalação eléctrica é tão antiga que pode provocar um incêndio, mas a Escola Secundária Garcia de Orta, Porto, não integra o programa de modernização do parque escolar.
"A escola tem 30 anos e nunca teve uma manutenção que ajudasse a suportar a degradação natural", afirmou hoje Fernanda Robalo, vice-presidente do Conselho Executivo, em declarações à agência Lusa.
Fernanda Robalo salientou que as instalações "estão muito degradadas", referindo especialmente o mau estado do recinto exterior onde decorrem as aulas de educação física, mas também a situação em que se encontra o piso do pavilhão desportivo, onde ocorrem frequentemente acidentes envolvendo alunos.

Eu andei no Garcia, e chamo-lhe o Garcia porque no meu tempo aquilo tinha o nome de Liceu (não de escola secundária) do 7.º até ao 12.º ano, tendo entrado no ano lectivo de 1975/76 (a escola tem mais de 30 anos, se não me engano foi inaugurada em 1969).

Quando lá andei a escola era relativamente nova, mas começava a sofrer do excesso de população estudantil (penso que eramos bem mais do que os 1500 alunos que a escola tem actualmente).

Tenho boas memórias do tempo que lá passei,. No plano escolar, fiz um percurso sem grandes sobressaltos apesar de ter apanhado todas as reformas daquela época: apanhei o primeiro 7.º ano unificado, o primeiro 8.º unificado e por aí adiante.

Já o ambiente geral foi muito agitado, principalmente entre 1975 e 1978; desde confrontos logo em Novembro de 1975 (nós, os do 7.º ano, tínhamos começados as aulas só no início de Novembro, estavamos portanto na escola só há 2/3 dias), quando da independência da Angola, desde ao "sequestro" de professores na sala deles por parte de elementos da direita nacionalista (numerosa na escola naqueles tempos), quando andava eu no 9.º ano, para além de confrontações físicas na parte de fora da escola por questões ideológicas. Também há aquele episódio do Mário Soares, durante um congresso do PS efectuado no pavilhão do Garcia, ter ficado escandalizado com as inscrições nas paredes dos lavabos (palavras de ordem de extrema-direita, cruzes gamadas, etc). Na verdade, naqueles anos, a esquerda não era muito popular por aqueles lados.

Mas é triste saber que o Garcia está degradado. É certo que, devido à sobrelotação, tive aulas em pré-fabricados (só no 9.º ano), construídos de propósito para albergarem mais algumas turmas. Mas, mesmo nesses pré-fabricados não chovia lá dentro. Por outro lado, o pavilhão era, no quadro das escolas do Porto desse tempo, muito bom, e tinha mais condições e material desportivo do que a escola básica/secundária onde hoje anda a minha flha mais velha (eu sei, porque pertenço à Associação de Pais da escola há já dois anos e sei bem as carências delas e a falta de soluções de um Ministério que tudo quer controlar, mas que não tem nem os meios nem o saber para o fazer).
publicado por Rui Oliveira às 11:33
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Abril de 2007
De magnólias e camélias... e não só
Hélder Pacheco, no Jornal de Notícias, sobre uma exposição de camélias no Porto, tem um texto, De magnólias e camélias, verdadeiramente inspirado (destaques meus):

E no alvoroço de Verão antecipado com que, este ano, o malfadado Inverno se despediu, foi a cidade brindada com a Exposição de Camélias que, após anos de vil apagamento, parece ter regressado, espero que definitivamente. Não podia ser de outro modo na terra proclamada "a "pátria delas" e tornara-se incompreensível o desleixo, desinteresse e menosprezo por tão brilhantes tradições portuenses - a flor e a sua exposição anual.

Aliás, por não ser, talvez, cosmopolita conforme os padrões pós-provincianos que nos regem, a camélia não teve lugar nessa cintilante manifestação de eruditismo chamada Porto 2001. E arriscou-se a cair em tanto esquecimento que os nossos vizinhos do lado já andavam a fazer mais, num par de anos, pela divulgação e protecção da "rosa japónica", do que a sua pátria adoptiva, em muitos.

Desmentindo as vozes catastróficas e cemiteriais sobre a abulia, o deserto e o quase zero de energia com que ornamentam os discursos sobre a cidade, a Exposição valeu como referendo sobre o que atrai, interessa e motiva o público. De facto, associando as camélias ao Palácio do Freixo, há muito que não se juntavam multidões assim, para visitar um local soberbo e contemplar a flor irresistível. O que significa a apetência e a disponibilidade de milhares de pessoas para manifestações para elas atractivas. E também que os comissários para as minorias activas e subsidiadas nada entendem sobre os gostos do público nem sobre o que se entende por oferta cultural para a democracia (quero dizer, para a maioria).

De facto, eu não diria melhor...

 

tags: ,
publicado por Rui Oliveira às 23:41
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Abril de 2007
Domingos de Ramos
Es el último domingo de la Cuaresma, a pesar de que da paso ya a la Semana Santa. [...]

La procesión de los ramos, rito de entrada de la misa, se empezó a celebrar en Jerusalén; de forma que la peregrina gallega Egeria la describe en su Diario de viaje, escrito hacia el año 380. Después se extiende a todo el Oriente, a España (siglo VII, a las Galias y, finalmente, a Roma (siglo XI o XII). La procesión está precedida de la bendición de los ramos y de la proclamación del evangelio de la entrada de Jesús en Jerusalén [...].

Julián López Martin, El año liturgico, Madrid: BAC, 1984.
publicado por Rui Oliveira às 20:05
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds