Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 25 de Dezembro de 2006
FELIZ NATAL
Mt 1, 18-25:

Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava desposada com José; antes de coabitarem, notou-se que tinha concebido pelo poder do Espírito Santo. José, seu esposo, que era um homem justo e não queria difamá-la, resolveu deixá-la secretamente. Andado ele a pensar nisto, eis que o anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: «José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados.»
Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito pelo profeta: Eis que a virgem conceberá à luz um filho; e hão-de chamá-lo Emanuel, que quer dizer: Deus connosco. Despertando do sono, José fez como lhe ordenou o anjo do senhor, e recebeu sua esposa. E, sem que antes a tivesse conhecido, ela deu à luz um filho, ao qual ele pôs o nome de Jesus.
publicado por Rui Oliveira às 18:48
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2006
Dante Alighieri
No meu outro blog, Humanae Litterae, podem encontrar a primeira parte de um pequeno artigo dedicado a Dante Alighieri e a dois sonetos seus publicados no Vita Nuova.
publicado por Rui Oliveira às 17:21
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Dezembro de 2006
Clay Regazzoni
Este suíço, de seu verdadeiro nome Gianclaudio Giuseppe Regazzoni, era um dos pilotos da Ferrari quando me comecei a interessar pela F1, no início dos anos 70. Era alguém "bigger than life", com enorme alegria de viver. Começou tarde na Fórmula 1, não ganhou muitas provas, 5 no total entre 1970 e 1979 (com um Williams, em Silverstome, primeira vitória desta marca), mais era alguém que marcava a competição. Não sendo uma superdotado dessa época, do género de um Jackie Stewart, Emerson Fittipaldi ou Niki Lauda, mesmo assim só perdeu por três pontos o campeonato do mundo de 1974.

O acidente em 1980, em Long Beach, ao volante de um Ensign, atirou-o para uma cadeira de rodas, paraplégico. Mesmo assim não parou e continuou a competir, agora, no Paris-Dakar, com veículos adaptados. Ao mesmo tempo manteve-se activo como amante e coleccionador de automóveis antigos.

Morreu, ontem, ao volante numa auto-estrada italiana, aos 67 anos, quando ia para mais uma dessas reuniões.

Era um mito dos anos setenta, de uma popularidade extraordinária,  um tipo de piloto que agora já não há.

Para quem quiser saber mais sobre este piloto sempre pode visitar o seu sítio oficial ou, então a Wikipedia.
publicado por Rui Oliveira às 01:28
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2006
Dos louvores da língua portuguesa
O Pedro Sette Câmara, meu co-blogger no  Insurgente, publicou um interessante artigo de poesia no seu blog com o título Sete anos de pastor, a propósito do conhecido poema de Camões com esse título, com alguns comentários interessantes. Mas o que, neste momento, me leva a escrever esta entrada são as suas considerações sobre a pronúncia do português, actualmente tão diferente dos dois lados do Atlântico.

Que o português europeu contemporâneo se tornou uma língua em que as vogais átonas quase não se ouvem não é novidade para ninguém. Por isso é que os espanhóis não nos compreendem. Pura e simplesmente eles não ouvem parte daquilo que dizemos.

Mas, isto é uma evolução recente, pois a acreditarmos nas descrições que lemos em louvor da língua portuguesa nos escritores do séc. XVI e XVII , as coisas nem sempre terão sido assim. Aliás como  é referido por Maria Helena Mira Mateus, na  Gramática da Língua Portuguesa  (Caminho, 2003 - 5.ª ed., p. 28):

Foi só no período do português moderno que o -e- (e por vezes o -i-) em posição pretónica e postónica foram progressivamente substituídos por uma vogal reduzida que hoje é habitualmente suprimida no registo coloquial do português europeu. Estas vogais eram, desde o início da língua, bastante mais audíveis do que são hoje em Portugal (semelhantes, portante, às vogais átonas do português brasileiro e do português falado em África).

Vejamos agora o louvor que é feito à língua portuguesa na obra mais conhecida de Francisco Rodrigues Lobo (1573/4-1621), Corte na Aldeia, pela primeira vez publicado em Lisboa, 1619 (utilizo a ed. da Presença, 1991), na pág. 68, logo no Diálogo I, pela voz de uma das suas personagens, o Doutor Lívio:

E verdadeiramente que não tenho a nossa língua por grosseira, nem por bons os argumentos com que alguns querem provar que é essa. Antes é branda para deleitar, grave para engrandecer, eficaz para mover, doce para pronunciar, breve para resolver e acomodada às matérias mais importantes da prática e escritura. Para falar é engraçada com um modo senhoril, para cantar é suave com um certo sentimento que favorece a música, para pregar é sustanciosa, com ua gravidade que autoriza as razões e as sentenças, para escrever cartas nem tem infinita cópia que dane, nem brevidade estéril que a limite, para histórias nem é tão florida que se derrame, nem tão seca que busque o favor das alheias. A pronunciação não obriga a ferir o céu da boca com aspereza, nem a arrancar as palavras com veemência do gargalo. Escreve-se da maneira que se lê, e assim se fala. Tem de todas as línguas o melhor: a pronunciação da latina, a origem da grega, a familiaridade da castelhana, a brandura da francesa, a elegância da italiana. Tem mais adajos e sentenças que todas as vulgares, em fé de sua antiguidade. E se à língua hebreia, pola honestidade das palavras, chamaram santa, certo que não sei eu outra que tanto fuja de palavras claras em matéria descomposta quanto a nossa. E, para que diga tudo, só um mal tem: e é que, polo pouco que lhe querem seus naturais, a trazem mais remendada que capa de pedinte.

Este conhecido louvor da língua portuguesa, não anormal para a época (há antecedentes), entre os exageros com que retrata a nossa língua, diz alguma coisa quanto a pronúncia que nos diz logo que algo seria diferente do que é actualmente.  Por exemplo, a "doçura" não é uma característica que possamos atribuir ao português europeu contemporâneo.

Há também neste passo outros pormenores interessantes, mas ficarão para outra oportunidade.

 
publicado por Rui Oliveira às 00:39
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Dezembro de 2006
Três anos...
Noto que faço hoje 3 anos de presença na blogosfera. Parece uma eternidade. Bem sei que nos últimos tempos não tenho sido muito assíduo e, se calhar, neste mês de Dezembro, embora um bocadinho mais assíduo, ainda não escreverei tanto como gostaria.

Mas o blog não é para acabar... provavelmente para a semana começarei a escrever com maior regularidade.
publicado por Rui Oliveira às 00:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006
Razões para um certo 1.º de Dezembro...
Como os portugueses foram usados para servir os interesses de Castela

"Pôs-nos mal Castela com todas as nações, com que se diminui no trato; as rendas das alfândegas faltaram, as mercadorias encareceram.
Os estrangeiros, não podendo vir a nossos portos buscar nossas drogas, iam buscá-las às nossas conquistas [...].
Esta (Castela) deu licença a estrangeiros para irem comerciar as nossas conquistas, com grande perda, assim se particulares como de rendas reais. Diminuíram-se as naus da Índia [...] e as que vinham governavam-se de modo que davam à costa.
As nossas fortalezas andavam tão mal providas que as tomavam os inimigos, como se viua na Baía, Pernambuco, Mina, Ormuz, etc.
Tomaram-nos todos os galeões, galés e armadas, do que resultou ficarem as nossas naus saqueadas e não escapar embarcação nossa. E jurando Castela de nos guardar todos os privilégios antigos [...] nos pôs novos e intoleráveis tributos [...]."

In Arte de Furtar - espelho de enganos, teatro de verdades, mostrador de horas minguadas, gazua geral dos Reinos de Portugal oferecida a El-Rei nosso Senhor D. João IV para que a emende (publicada pela primeira vez em 1652 de autor anónimo, embora tendo aparecido como se fosse do Padre António Vieira)
publicado por Rui Oliveira às 18:50
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds