Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Quinta-feira, 31 de Março de 2005
Fim, pelo menos por enquanto...
A minha crescente falta de tempo não podia deixar de ter como consequência um certo abandono do blogue como se verificou nos últimos dias. Ora, eu entendo que num blogue individual é absolutamente necessário publicar diariamente ou quase sempre diariamente e isso muito dificilmente acontecerá nos próximos tempos.

Por esse motivo, tomei a difícil decisão de suspender este blogue. De qualquer forma esta decisão não marca o meu abandono da blogosfera, visto que continuarei a escrever n' O Insurgente e, a outro nível, no meu outro blogue Humanae Litterae, onde espero publicar, pelo menos semanalmente, alguns artigos que estão em preparação.

A todos os que me visitam, obrigado. Continuaremos a nos vermos (lermos)...
publicado por Rui Oliveira às 12:25
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 29 de Março de 2005
Estado de graça
Segundo a TSF os portugueses estão satisfeitos com José Sócrates e, segundo Miguel Coutinho, ouvido pela TSF, o governo está em estado de graça.

Que o governo esteja em estado de graça por parte da população, parece-me absolutamente normal. Afinal foi o povo que lhe deu a maioria absoluta e, por outro lado, o governo até agora também ainda não teve tempo para fazer fosse o que fosse.

Só espero é que o estado de graça dado pelo povo não se estenda também à comunicação social. Não que advogue comportamentos agressivos como aquele que os media tiveram em relação a Santana Lopes (apesar deste ter potenciado este comportamento com alguns erros). Espero é que a comunicação social não comece a deixar passar, ou branquear, situações que, se fossem com o PSD, era motivo para desatarem para aí aos gritos estridentes.

Bem, mas se isso acontecer, para isso estão cá os blogs.
publicado por Rui Oliveira às 10:30
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Março de 2005
Impropérios de Sexta-Feira Santa
V/. Popule meus, quid feci tibi? aut in quo contristavi te? Responde mihi.
V/. Quia eduxi te de terra Aegypti, parasti crucem Salvatori tuo.

C/. Agios o Theos!
Sanctus Deus!
Agios ischyros!
Sanctus fortis!
Agios athanatos, eleison ymas.
Sanctus immortalis, miserere nobis.

V/. Quia eduxi te per desertum quadraginta annis, et manna cibavi te, et introduxi te in terram satis bonam: parasti Crucem Salvatori tuo. C/. Agios o Theos!

V/. Quid ultra debui facere tibi, et non feci? Ego quidem plantavi te vineam meam speciosissimam: et tu facta es mihi nimis amara: aceto namque sitim meam potasti: et lancea perforasti latus Salvatori tuo. C/. Agios o Theos!

V/. Ego propter te flagellavi Aegyptum cum primogenitus suis: et tu me flagellatum tradidisti.

R/. Popule meus, quid feci tibi? aut in quo contristavi te? Responde mihi.

V/. Ego eduxi te de Aegypto, demerso Pharaone in Mare Rubrum: et tu me tradidisti principibus sacerdotum. R/. Popule meus.

V/. Ego ante te aperui mare: et tu aperuisti lancea latus meum. R/. Popule meus.

V/. Ego ante te praeivi in columna nubis: et tu me duxisti ad praetorium Pilati. R/. Popule meus.

V/. Ego te pavi manna per desertum: et tu me cecidisti alapis et flagellis. R/. Popule meus.

V/. Ego te potavi aqua salutis de petra: et tu me potasti felle, et aceto. R/. Popule meus.

V/. Ego propter te Chananaeorum reges percussi: et tu percussisti arundine caput meum. R/. Popule meus.

V/. Ego dedi tibi sceptrum regale: et tu dedisti capiti meo spineam coronam. R/. Popule meus.

V/. Ego te exaltavi magna virtute: et tu me suspendisti in patibulo Crucis. R/. Popule meus.


Tomás Luis de Victoria (1540-1613)
(pdf)

publicado por Rui Oliveira às 18:11
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Março de 2005
Devagar, devagarinho...
...mas não parado é como anda este blogue ultimamente. A culpa é do trabalho que não me larga (e ainda bem). Mas, prometo, logo que possa, vou voltar a publicar qualquer coisinha com maior regularidade.

No entanto, não quero deixar de notar que o país parece continuar numa espécie de "estado em suspensão". Aparentemente, nada se mexe, nada se passa no país. Espero que seja apenas um impressão minha.
publicado por Rui Oliveira às 19:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 22 de Março de 2005
Ambicioso e entusiasmante?
David Pontes, director-adjunto do Jornal de Notícias, escreve na secção "Fio de terra" (sem ligação):

Não vale a pena estarmos com meias-medidas: o texto de 20 páginas que José Sócrates leu ontem no Parlamento é um ambicioso e entusiasmante programa de Governo. Ambicioso, porque traça metas bem definidas para tarefas difíceis. Entusiasmante, porque depois de mais de dois anos em que o discurso dominante foi de recriminação do passado e de contenção no presente, as palavaras (sic) de Sócrates vêm cheias de futuro.

Deixando passar o tom panegírico que vem sido habitual na imprensa acerca do governo de Sócrates, eu que ouvi, isto é, que me dei ao trabalho de ouvir um longo e chato discurso pronunciado por Sócrates, não me dei conta destas duas características. Defeito meu? Má-vontade minha em relação ao homem? Talvez.

De facto, Sócrates enunciou uma data de coisas, com uns sound-bytes pelo caminho (as férias judiciais, por exemplo), mas nem uma palavra sobre como conseguir os meios financeiros para sua realização.

Por outro lado, bem pode ter falado no futuro, mas sem a sustentação necessária, é mais ou menos como andar a construir castelos na areia.

Isto é, para mim, Sócrates não disse nada de especialmente digno de registo, limitou-se a dar o rol de coisas que quer fazer (mas que se calhar não sabe como, nem como vai arranjar dinheiro para elas), mas a comunicação social em geral (ver, p. ex., António José Teixeira) ficou em extâse, maravilhada por tanto palavreado oco.

Enfim, cá espero para ver o que o governo realmente faz.
publicado por Rui Oliveira às 15:26
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Março de 2005
Afinal...
... os homens são melhores condutores do que as mulheres.
publicado por Rui Oliveira às 22:30
link do post | comentar | favorito
|
Ode da Primavera
Foram-se as neves e aos campos já a relva regressa
e às árvores a folhagem;
a terra muda a sua face, e, deixando as margens,
os rios decrescem.

Uma Graça mais as duas irmãs, nuas, ousam dançar
com as Ninfas.
Não esperes pela imortalidade, adverte-te o ano e a hora
que arrebata o dia criador.

Ao sopro dos Zéfiros, abranda o frio; à Primavera sucede
o Verão parecedouro, e logo
o copioso Outono espalhará seus frutos; de seguida
a bruma inerte regressa.

Porém o suceder das Luas depressa repara os danos vindos do céu.
Mas nós, logo que tombamos
no lugar onde está o piedoso Eneias, o opulento Tulo e Anco,
mais não somos do que pó e sombra.

Quem sabe se à soma dos dias de hoje
juntarão os deuses supernos as horas de amanhã?
Das mãos ávidas do teu herdeiro se escaparão todos os bens
com que o teu ânimo regalaste.

Uma vez morto e ao magnífico julgamento
de Minos submetido,
nem linguagem, nem eloquência, nem piedade,
te farão viver.

Das infernais trevas, nem Diana liberta
Hipólito casto,
nem Teseu das cadeias do Letes consegue soltar
o caro Pirítoo.

Horácio, Odes IV.7 (trad. Maria Helena da Rocha Pereira)
publicado por Rui Oliveira às 11:46
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Março de 2005
Em defesa do "Velho do Restelo"
No meu outro blogue, Humanae Litterae publiquei a entrada Em defesa do "Velho do Restelo", que fora publicada, em primeira mão, no O Insurgente.
publicado por Rui Oliveira às 16:30
link do post | comentar | favorito
|
Um artigo esclarecedor
Via Political Correctness Watch cheguei à leitura deste artigo que fornece, talvez, argumentos mais do que irrefutáveis para recusar a ideia de institucionalização do "same-sex marriage". Bem sei que o problema ainda não se pôs em Portugal, mas não tardará muito...

Como diz o autor, não está em causa uma questão de direitos do hmossexuais, mas uma tentativa de modificar completamente a noção tradicional de casamento de modo a fazer com que ela pareça algo de completa impensável e politicamente incorrecta.
publicado por Rui Oliveira às 13:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Março de 2005
Feminismo e ciência: incompatíveis? - parte II
Na sequência desta minha entrada Feminismo e ciência incompatíveis?, aconselho a leitura deste artigo que põe, nesta questão, os pontos nos ii.

Pelos vistos ainda há esperança. A defesa dos direitos da mulher, como por exemplo a sua não discriminação, não tem que ser incompatível com a ciência. Ainda bem.

O problema é que há muita gente, neste campo, sobrepõe a ideologia à ciência.
publicado por Rui Oliveira às 11:22
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds