Liberae sunt enim nostrae cogitationes - Cícero (Mil. 29 - 79) . Um blog de Rui Oliveira superflumina@sapo.pt
.artigos recentes

. Tempo novo, totalitarismo...

. Golpistas encartados

. Amadorismo

. A habitual arrogância dos...

. Ainda a cópia privada

. Boa notícia...

. Maldito solarengo

. Querida televisão...

. Desinformação ou ignorânc...

. Ratisbona, laicidade e la...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Agosto 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

.Sitemeter
Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2005
Desejo (act.)
Gostava amanhã de abrir o jornal e ler "Fernandez já não mora aqui".

Post scriptum (às 21h05). Parece que os deuses do Olimpo me concederam este primeiro desejo. Já agora aditanto o meu segundo e terceiros desejos: vencer o Campeonato e a Liga dos Campeões. Serei demasiado ambicioso?
publicado por Rui Oliveira às 10:54
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Decadência moral ou regressão?
Que dizer desta notícia?

Não sou daqueles que anda para aí a clamar pela decadência da moral actual quando comparada com a de antanho. Afinal a queixa sobre a decadência dos valores vem já da Antiguidade; parece que há sempre uma saudade por um passado de ouro (verdadeiro ou mitificado...). Por isso não alinho nesse tipo de choradeiras.

Mas, todavia, notícias como esta levam-nos a pensar que algo vai mal no "Reino da Dinamarca", mesmo quando esta "Dinamarca" se chama Alemanha e uma Alemanha governada por sociais-democratas e verdes.

Em nome de um politicamente correcto estúpido, que quer considerar como igual aquilo que efectivamente é diferente, não estarão os direitos e a dignidade das mulheres (no caso específico desta notícia) postos em causa?

Já não é a primeira vez que estas idiotices "pc" põem em causa os direitos individuais, consagrando uma efectiva regressão na história da Humanidade.
publicado por Rui Oliveira às 10:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Espera sentado!
Freitas do Amaral diz não rejeitar uma hipotética candidatura a Belém.

Em 1986, levou por duas vezes o meu voto. Agora, bem pode esperar sentado que o meu voto não terá jamais. Francamente por quem espera ele ser apoiado?
publicado por Rui Oliveira às 10:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 30 de Janeiro de 2005
As sementes do ódio
Uma ONG norte-americana, Freedom House, através do seu Center for Religious Freedoom acusa a Arábia Saudita de propagandear o ódio nas mesquitas dos Estados Unidos, segundo o seu relatório Saudi publication on hate ideology fill American Mosques, publicado na passada sexta-feira.

Os sítios Little Green Footballs e Laïc Info fazem um resumo dos pontos principais da acusação aos sauditas.

Sem dúvida que um dos problemas fulcrais do terrorismo islâmico tem origem na Península Arábica. Considerações geo-políticas não têm permitido enfrentar este problema, mas talvez seja altura das democracias ocidentais deixarem-se de paninhos quentes.
publicado por Rui Oliveira às 23:46
link do post | comentar | favorito
|
Sunday bloody sunday

Yes...

I can't believe the news today
Oh, I can't close my eyes
And make it go away
How long...
How long must we sing this song?
How long? How long...
'cause tonight...we can be as one
Tonight...

Broken bottles under children's feet
Bodies strewn across the dead end street
But I won't heed the battle call
It puts my back up
Puts my back up against the wall

Sunday, Bloody Sunday
Sunday, Bloody Sunday
Sunday, Bloody Sunday

And the battle's just begun
There's many lost, but tell me who has won
The trench is dug within our hearts
And mothers, children, brothers, sisters
Torn apart

Sunday, Bloody Sunday
Sunday, Bloody Sunday

How long...
How long must we sing this song?
How long? How long...
'cause tonight...we can be as one
Tonight...tonight...

Sunday, Bloody Sunday
Sunday, Bloody Sunday

Wipe the tears from your eyes
Wipe your tears away
Oh, wipe your tears away
Oh, wipe your tears away
(Sunday, Bloody Sunday)
Oh, wipe your blood shot eyes
(Sunday, Bloody Sunday)

Sunday, Bloody Sunday (Sunday, Bloody Sunday)
Sunday, Bloody Sunday (Sunday, Bloody Sunday)

And it's true we are immune
When fact is fiction and TV reality
And today the millions cry
We eat and drink while tomorrow they die

(Sunday, Bloody Sunday)

The real battle just begun
To claim the victory Jesus won
On...

Sunday Bloody Sunday
Sunday Bloody Sunday...

U2 (War - 1983)
publicado por Rui Oliveira às 18:38
link do post | comentar | favorito
|
Eleições no Iraque
Apesar dos esforços dos media - só para dar um exemplo, acordei de manhã com a TSF a dizer que os terroristas (eles chamam-lhe "resistência") estavam a cumprir a ameaça de tornar este dia num banho de sangue - os iraquianos foram a votos (embora haja quem pense que só "alguns" o foram ) em números mais do que aceitáveis.

Como de costume, a cobertura noticiosa pelos meios tradicionais foi suficientemente enviesada, pelo que quem quiser saber algo mais concreto tem que recorrer à Internet. Bem, mas isso é algo que nos últimos tempos se tem tornado imprescindível. Os media tradicionais deixaram de ter o monopólio da verdade.

A maioria dos ataques ocorreram em Bagdad ou em zonas de maioria (ou um grande número) de sunitas (e mesmo assim, não em todo o lado). Na maioria do Iraque as eleições decorreram sem problemas de maior. Será que os jornalista não vêem para além de Bagdad e daquela zona central? Será que 3/4 do país não interessa para nada?

Penso que, apesar de tudo, as eleições correram muito melhor do que se poderia esperar (sobretudo para quem só tiver informação através dos media)?
publicado por Rui Oliveira às 14:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 29 de Janeiro de 2005
Dilema?
Vital Moreira mostra-se preocupado com o dilema dos militantes sociais-democratas que não sendo particularmente adeptos de Santana queiram restaurar no partido uma alternativa de poder responsável. Neste caso, que caminho deveria seguir esses militantes.

No entanto, penso que Vital Moreira parte de uma premissa errada: a de que do lado do PS há uma alternativa de poder mais credível do que a de Santana Lopes. Ora como se sabe o PS de Sócrates não é uma alternativa mais credível do que a de Santana. Pode parecê-lo, mas não é. E se o PS for governo, teremos rapidamente a prova.

Acredito que um governo Santana Lopes saído das eleições será, apesar de tudo, melhor do que qualquer governo saído do PS de Sócrates. Por isso, não tenho nenhum dilema. Não gosto de Santana como chefe do meu partido, mas voto sem qualquer peso na consciência.

publicado por Rui Oliveira às 21:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Obra de arte
A 8 de Janeiro, falei aqui do caso da Figueira da Foz e do lavatório cujos cacos foram para ao lixo atirados por uma funcionária de limpeza.

Hoje o Jornal de Notícias, na sua secção Cultura, volta a falar no assunto. Em caixa, Paulo Cunha e Silva, director do Instituto das Artes, diz o seguinte:

A obra de arte deixou de ter legitimidade por si - é o artista que lhe confere esse estatuto. Além de vir complementar o anedotário da arte contemporânea, a sucessão deste tipo de equívocos acabou por introduzir uma questão muito interessante, a do conflito entre as obras de arte e o próprio Mundo. O senso comum orquestra a perplexidade e a resistência para rejeitar determinadas criações. A ideia de que não passam de lixo - ou que poderiam ter sido concebidas por qualquer um - acaba por dissolver a aura de objecto artístico e restituí-lo para o local onde ele deve estar. A realidade. O lixo. Em última instância, esse cidadão delimita as fronteiras - que, entretanto, se terão diluído - do conceito de museu enquanto caixote do luxo e não caixote do lixo. O problema é que essas obras de arte não foram concebidas por esse anónimo, que não tem estatuto de legitimação. Esse esforço só pode ser exercido pelo artista, designação conferida, nomeadamente, pelo crítico de arte e pela própria sociedade. No final, a questão deixou de ser "o que é uma obra de arte?", mas, antes, "o que é um artista?".

Tal como na literatura, não acredito numa definição essencialística da obra de arte em geral, mas também não acredito no extremo oposto.

Vítor Manuel Aguiar e Silva (in Teoria da Literatura, Almedina, 8.ª ed., p. 33), depois de considerar que:

(...) a obra literária só adquire efectiva existência como obra literária, como objecto estético, quando é lida e interpretada por um leitor, em conformidade com determinados conhecimentos, determinadas convenções e práticas institucionais.

Diz o seguinte na p. 34:

Julgamos, todavia, que o reconhecimento da verdade daquele princípio não implica a minimização e até a destruição da obra literária como estrutura artística relativamente autónoma, passando-se do extremo representado pela "falácia objectivista" denunicada por Earl Miner para o extremo da "falácia cognitivista" advogada pelo mesmo autor (...).

Apesar de nunca me ter debruçado sobre este problema na arte em geral, penso que o afirmado por Aguiar e Silva em relação à literatura também poderá ser válido para as outras artes. Talvez por isso, relativamente a este tipo de arte contemporânea, mais as suas manias da "performance", tenho muito dificuldade de considerar isto como arte. Se calhar estou errado, mas não basta alguém considerar-se como artista para que eu considere que o que ele faz é obra de arte (mesmo sabendo eu dos conceito e conveções, etc. que subjazem a esse tipo de arte).
publicado por Rui Oliveira às 15:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2005
Carlos Magno
No meu outro blogue, Humanae Litterae, assinalando os 1191 anos da morte de Carlos Magno, um artigo com uma tradução minha de um dos capítulos da Vita Karoli Magni.

Desde já aviso, tipo captatio beneuolentiae, que não sou um latinista, mas apenas alguém que, sendo tradutor profissional, gosta muito, partir do que aprendeu nos dois anos de Latim na Faculdade, fazer experiências de tradução nesta língua.
publicado por Rui Oliveira às 23:43
link do post | comentar | favorito
|
Sondagens
Toda a gente sabe que elas valem o que valem e que, depois, no dia das eleições, as pessoas indecisas costumam raciocinar de modo diferente quando vão votar. Afinal, por exemplo, embora não me tivesse na altura preocupado muito com o assunto (sabia que nunca votaria no Fernando Gomes), não conheço sondagem que tenha dado vitória ao Rui Rio aqui no Porto nas últimas autárquicas.

De qualquer modo, apesar de não me fiar muito nelas, parace-me altamente errado atacá-las como o fez Santana Lopes. Não sei se não será mesmo contraproducente, pois parece a birra de um menino com mau perder.

Numa metáfora futebolística, o jogo ainda vai a meio e não são os assobios do público e da claque adversária que podem impedir uma equipa de ganhar. Santana têm é que jogar bem e, neste caso, não se esquecer que o seu principal adversário é o PS e ninguém mais. Todos os outros não contam para o Totobola.
publicado por Rui Oliveira às 09:46
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.tags

. aborto

. ambiente

. anti-semitismo

. blogosfera

. blogs

. ciência

. comentário

. comunicação social

. cultura

. desporto

. diversos

. ecologia

. economia

. educação

. efeméride

. eleições

. ensino

. europa

. frança

. futebol

. futebol portugal

. história

. história de portugal

. idiotas úteis

. internacional

. israel

. justiça

. língua

. literatura

. literatura cultura

. liturgia

. livros

. multiculturalismo

. música

. poesia

. polémicas

. política

. politicamente correcto

. porto

. portugal

. religião

. terrorismo

. tradução

. tradução comentário

. união europeia

. todas as tags

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds